Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Exportações aumentaram 24,4% no primeiro trimestre, diz FGV

As importações também registraram alta em comparação com o mesmo período de 2016

Daniela Amorim, Broadcast

26 de abril de 2017 | 09h26

RIO - As exportações aumentaram 24,4% no primeiro trimestre de 2017, enquanto as importações cresceram 12%, na comparação com o mesmo período de 2016, segundo o Indicador do Comércio Exterior - Icomex, informou nesta quarta-feira, 26, a Fundação Getulio Vargas (FGV).

O novo índice, que foi antecipado por meses pelo Broadcast, passa a ser divulgado mensalmente pela FGV. O objetivo é contribuir para a avaliação do nível de atividade econômica do País, por meio da análise mais aprofundada dos resultados das importações e exportações.

No primeiro trimestre do ano, a balança comercial registrou um superávit de US$14,4 bilhões. "Com isso, as estimativas de saldos ao redor de US$ 50 bilhões para 2017 passaram a fazer parte dos cenários de projeções do setor externo", ressaltou a FGV, em nota oficial.

A melhora nos termos de troca iniciada em abril de 2016 ganhou impulso a partir de novembro. No primeiro trimestre deste ano, os termos de troca subiram 19% na comparação com o mesmo período de 2016. Os preços das exportações aumentaram 15%, ao passo que os das importações recuaram 3%.

A melhora foi liderada pelas commodities. O termo de troca da cesta de commodities avançou 41% e o das não commodities teve alta de 7% no primeiro trimestre em relação a igual trimestre de 2016.

No caso das commodities, os preços de exportação cresceram 29% e os preços de importação caíram 11%. Entre as não commodities, os preços de exportações ficaram estáveis, enquanto os das importações tiveram queda de 6,5%.

"Observa-se que o aumento dos preços das commodities foi liderado pelo minério de ferro (+137%) e pelo grupo petróleo (+82%). O ritmo desse aumento deve arrefecer, mas não se espera um novo ciclo de queda de preços de commodities no curto prazo", ressaltou a FGV.

Entre as atividades econômicas, houve destaque para a indústria extrativa, cujos preços de exportações aumentaram 75%, seguido dos preços da agropecuária, que cresceram 9%. Na análise do volume exportado, a extrativa teve aumento de 38%, seguido da indústria de transformação, com alta de 9%. A agropecuária, mesmo com o aumento de preços, registrou queda de 7% no volume embarcado.

"O impacto do embargo da carne, apesar de logo suspenso, pode ter influenciado esse resultado", ponderou a FGV.

No caso das importações, os preços subiram aproximadamente 17% na agropecuária, mas caíram para os demais setores. O volume importado aumentou 23% para a indústria de transformação, seguido de alta de 11% da extrativa. O resultado pode ser considerado um sinal de melhora no nível de atividade, mas também tem influência da valorização cambial em relação ao ano de 2016.

Na classificação por categorias de uso, houve queda generalizada nos preços de importações no primeiro trimestre, mas elevação nos preços das exportações de bens de consumo não duráveis (20%), intermediários (6%) e bens de capital (4%).

A análise por volume exportado mostra que a recuperação das vendas de automóveis levou a um aumento de 54% da categoria de bens de consumo duráveis. Nas importações, o maior crescimento foi o de bens intermediários (25%) seguido de semiduráveis (11%). O aumento de 5% no volume importado de bens de capital pode sinalizar o início de uma recuperação futura do nível de investimento.

Mais conteúdo sobre:
BroadcastFGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.