Exportações bateram três recordes em outubro

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, informou hoje que o resultado da balança comercial do mês de outubro só será divulgado na segunda-feira, em razão do feriado do Dia do Servidor Público, que foi transferido para sexta-feira, dia 1º. O ministro Sérgio Amaral anunciou hoje os números da balança no acumulado do mês até ontem. O superávit comercial atingiu US$ 2,056 bilhões, com exportações de US$ 5,917 bilhões e importações de US$ 3,861 bilhões. Segundo Amaral, o saldo comercial é o maior atingido nos meses de outubro. Além disso, ressaltou, outros três recordes foram batidos neste mês: o maior volume de exportações mensal, o maior volume de exportação de produtos básicos, que atingiu US$ 1,806 bilhão, e o maior volume de vendas de produtos manufaturados, que foi de US$ 3,068 bilhões. No acumulado do ano, o superávit da balança já chega a US$ 9,912 bilhões, com exportações de US$ 49,435 bilhões e importações de US$ 39,523 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, o superávit atingiu US$ 11,055 bilhões, o que, segundo Amaral, fez com que o Ministério do Desenvolvimento revisasse a estimativa de saldo comercial para este ano de US$ 10 bilhões para US$ 11 bilhões. "A revisão para US$ 11 bilhões é uma visão mais realista e prudente, mas é possível que seja mais do que isso", disse o ministro. Segundo o ministro, o superávit acumulado de janeiro a outubro é o maior saldo positivo desde 1994.Valores das exportaçõesSérgio Amaral destacou o aumento dos valores das exportações em relação ao mesmo período do ano passado. De janeiro a outubro deste ano as exportações, em termos de valores, registraram crescimento de 0,1%. "O crescimento das exportações é pequeno, mas viramos uma taxa de crescimento, que era negativa, para uma taxa de crescimento positiva", afirmou o ministro. O valor das exportações até o início da segunda quinzena de outubro era menor que os valores registrados no mesmo período de 2001. Em termos de volume, o ministro informou que as exportações cresceram 3,5% no acumulado do ano, enquanto que o comércio mundial teve um crescimento de 1%, segundo a Organização Mundial do Comércio. Sérgio Amaral disse ainda que a queda nos preços dos produtos brasileiros este ano é de 5,5%, o que refletiu na perda de valor das exportações. Segundo ele, a queda nos preços provocou uma perda, até o momento, de US$ 2,5 bilhões e pode chegar a US$ 3 bilhões até o final do ano. "Normalizando o comércio mundial, nós podemos ter nesse indicador um aumento nas exportações de pelo menos US$ 3 bilhões no próximo ano", observou o ministro. Ele informou ainda que a queda das exportação para a Argentina este ano é de 58%, em comparação ao ano passado. Segundo ele, se o efeito Argentina for retirado da pauta de exportação, o Brasil teria um crescimento nas vendas externas de 5,9%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.