Exportações brasileiras ao Iraque subiram 206%

O processo de reconstrução do Iraque está possibilitando a retomada das exportações brasileiras, com registro de crescimento de 206% em 2006, em comparação ao mesmo período de 2005. Segundo o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil Iraque, Jalal Chaya, o setor de infra-estrutura do Iraque - através da importação de transformadores diesel-elétrico, de pás carregadoras, de chassi com motor diesel, de tratores rodoviários, de semi-reboques e de esteiras - é o responsável pelo impulsionamento das vendas. "Esse é um sinal claro do ritmo da reconstrução do país", afirma.Dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior indicam um crescimento nas vendas de US$ 49,9 milhões em 2005, para US$ 152,9 milhões no ano passado. Além do setor de infra-estrutura, destacam-se também as vendas de açúcar e de carnes de frango e bovina.Este resultado de vendas ao Iraque, no entanto, não reflete a realidade do comércio exterior entre os dois países, já que uma grande parcela de exportações brasileiras ao mercado iraquiano é concretizada através de importadores dos países vizinhos ao Iraque. Esses negócios, conhecidos como "operações triangulares", não são contabilizados na balança de relações bilaterais entre os dois países. "Essas operações são realizadas porque ainda falta infra-estrutura de armazenagem no Iraque para receber todos os produtos importados", explica Chaya.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.