Exportações brasileiras têm ritmo menor em novembro

O ritmo das exportações brasileiras caiu em novembro em relação aos últimos meses, mostram os dados divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Desde junho, a média diária vinha se mantendo acima dos US$ 400 milhões. Na primeira semana de novembro, a média diária das vendas externas foi US$ 396,8 milhões. Ainda assim, o resultado é 32,7% maior que novembro de 2003, que foi de US$ 299 milhões. O arrefecimento das exportações é aguardado pelo governo nos últimos dois meses do ano, tradicionalmente mais fracos que os demais meses do segundo semestre. No entanto, o Ministério do Desenvolvimento estima um resultado muito melhor que em novembro e dezembro do ano passado para atingir a meta de US$ 94 bilhões em exportações este ano. Até o momento, as vendas externas totalizam US$ 80,708 bilhões. Em novembro de 2003, as exportações fecharam em US$ 5,980 bilhões.Segundo os dados divulgados pelo MDIC, em relação a novembro de 2003, houve aumento das vendas nas três categorias de produtos: semimanufaturados (71,3%) por conta do aumento dos embarques de semimanufaturados de ferro e aço, ferro-ligas, óleo de soja em bruto, madeira serrada, couros e peles, ferro fundido, alumínio em bruto e celulose; básicos (34,8%), principalmente em função das exportações de fumo em folhas, soja em grão, algodão, carne bovina, minério de ferro, café e petróleo; e manufaturados (22,9%) em razão do aumento das vendas de óleos combustíveis, bombas e compressores, autopeças, móveis, veículos de carga, tratores, laminados planos, automóveis e calçados.ImportaçõesTambém as importações dom País começaram novembro em ritmo menor que nos últimos meses. A média diária na 1ª semana de novembro foi de US$ 226 milhões, 22,5% inferior a de outubro de 2004 (US$ 291,8 milhões) mas 6% acima da média de novembro de 2003 (US$ 213,2 milhões). Segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, no comparativo com novembro de 2003, ampliaram-se os gastos, principalmente, com partes e peças de aeronaves (154,3%), borracha e obras (48,9%), produtos siderúrgicos (47,2%), veículos automóveis e partes (34,6%), plásticos e obras (33%) e equipamentos elétrico-eletrônicos (20,4%).Na 1ª semana de novembro, a balança comercial registrou superávit de US$ 683 milhões, resultado de exportações no valor de US$ 1,587 bilhão e importações de US$ 904 milhões. No ano, as exportações acumulam US$ 80,708 bilhões e as importações, US$ 51,904 bilhões, com saldo positivo de US$ 28,804 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.