Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Exportações chinesas caem menos em setembro e sugerem recuperação

Vendas externas tiveram menor queda em nove meses; demanda interna por aço conteve declínio das importações.

BBC Brasil, BBC

14 de outubro de 2009 | 06h48

As exportações chinesas caíram menos do que o previsto em setembro deste ano em relação ao ano passado, sugerindo uma recuperação em economias no resto do mundo, que voltaram a acelerar suas compras de mercadorias chinesas.

As exportações da terceira maior economia do planeta totalizaram US$ 115,9 bilhões em setembro, um volume 15,2% abaixo de setembro do ano passado, mas a menor queda em nove meses.

No mesmo período, as importações somaram US$ 103 bilhões e caíram 3,5%, o menor declínio desde novembro.

A compra recorde de minério de ferro em setembro - 64,6 milhões de toneladas -, motivada por uma retomada do setor imobiliário chinês e uma maior demanda por aço, conteve a queda das importações.

Segundo o correspondente da BBC em Xangai, Chris Hogg, o pacote de estímulo de US$ 596 bilhões que o governo injetou na economia tem dado ânimo ao consumo dentro do país.

Entretanto, analistas apontam que a China dependerá de uma recuperação global para elevar seus números de comércio.

Entre janeiro e agosto, as trocas comerciais do país com a União Européia, os Estados Unidos e o Japão caíram, respectivamente, 19,4%, 15,8% e 20,0%.

Nos primeiros nove meses do ano, o superávit comercial do país atingiu US$ 135,5 bilhões, uma queda de 26% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Leia mais: Desafio da China é sustentar crescimento

Nos últimos doze meses, para incentivar suas vendas externas, o governo chinês elevou diversas vezes o desconto do imposto sobre o valor agregado das exportações, aumentou as restituições de impostos e aperfeiçoou os mecanismos de seguro de crédito a exportadores.

Além disso, a ação do Banco Central chinês conteve a alta do yuan frente ao dólar - que encarece os produtos chineses no exterior - desde julho de 2008.

Apesar disso, o vice-ministro do Comércio da China, Zhong Shan, disse recentemente que os exportadores chineses ainda estão enfrentando tempos difíceis.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.