Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Exportações chinesas provocam perdas de US$ 1,5 bilhão ao Brasil

A China está levando a melhor na concorrência direta com manufaturados brasileiros em mercados internacionais como o americano. Levantamento realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostra que os produtos chineses ganharam terreno em cima de exportações do Brasil e provocaram perdas de US$ 1,5 bilhão entre 2002 e 2004, principalmente em itens como calçados, mas também em rodas, aparelhos de telefonia e partes de computadores.O dado faz parte de um trabalho elaborado pela economista Lia Valls junto com o pesquisador Diego Silveira Maciel, tomando como base as exportações de produtos coincidentes, ou seja, mesmos tipos de produtos exportados pelo Brasil e China para Estados Unidos, além de México, Argentina e Chile. As perdas foram comparadas ao triênio de 1999 a 2001.Para a autora do estudo, as perdas para o mercado americano, as maiores dentre o grupo de países analisados, não são alarmantes, já que representaram 3,6% das exportações totais do Brasil para os Estados Unidos no período. Mas servem de alerta. "Não é uma perda desprezível. Nos produtos em que a gente concorre a China tende a ganhar mais parcela de mercado que o Brasil na comparação destes anos", explica ela.A economista lembra que o Brasil já vem cedendo espaço nos produtos com os quais concorre com a China e cita que o país asiático está avançando na produção e venda de produtos de maior valor agregado. Afirma, por exemplo, que é preciso ficar atento com o avanço do setor automobilístico e mesmo siderúrgico da produção chinesa, que poderá competir mais agressivamente, no futuro, em mercados externo nos quais o próprio Brasil já atua.De forma geral, ela afirma que é preciso analisar se os produtos brasileiros estão sendo descolocados porque não têm capacidade de competir ou "se é possível introduzir novas diferenciações do mesmo produto associados à redução de custos e novas estratégias de comercialização". Para a Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), o câmbio é um fator preponderante, já que está desfavorável no Brasil e vantajoso na China.O trabalho mostra que as exportações brasileiras registraram perda de mercado total de R$ 4,2 bilhões em exportações para os Estados Unidos, nos mesmos produtos ofertados pela China. O país asiático isoladamente foi responsável por 35,7% destas perdas, o equivalente a R$ 1,5 bilhão, entre 2002 e 2004, parcela maior do que os 30,9% de 1999 a 2001. As perdas de mercado para outros países não foram estimadas, porque o objetivo foi checar o peso da China.Nos outros destinos, o peso da China nas perdas de participação das exportações brasileiras ficou em 29,7% no Chile (equivalente a US$ 70 milhões), 14,5% no México (US$ 130 milhões) e 11,8% na Argentina (US$ 50 milhões).Alguns resultados específicos chamam a atenção: Nos Estados Unidos a produção chinesa é responsável por mais de 80% da perda de participação de mercado dos calçados brasileiros. Para o México, a participação da China nas perdas totais do Brasil em ar condicionado foi de 91,52%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.