coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Exportações da Embraer caem 18,4% no 1º quadrimestre

A desaceleração do setor aéreo causou uma queda nas exportações e nas importações da Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer) nos primeiros quatro meses do ano. Mesmo assim, a empresa manteve de janeiro até abril a posição de líder da pauta de exportações brasileiras, com vendas externas de US$ 745,3 milhões (valor FOB). Esse valor, no entanto, foi 18,4% menor do que as vendas realizadas no mesmo período em 2001, segundo dados divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento.As exportações da Embraer responderam por 4,51% do total exportado pelo Brasil até abril. No mês passado, a empresa teve vendas externas de US$ 202,9 milhões, apenas 1,79% a mais do que em abril de 2001.Nos primeiros quatro meses do ano, a Embraer manteve posição de segunda maior importadora brasileira, atrás apenas da Petrobras. Para fabricar seus aviões, ela comprou US$ 414,9 milhões em materiais e equipamentos de janeiro a abril, o equivalente a 2,76% do total da importação brasileira. Em comparação com o mesmo período de 2001, a empresa importou 33,40% a menos. Com isso, a Embraer manteve superávit até abril, pois exportou US$ 330,344 milhões a mais do que importou no período.De janeiro a abril, o principal país comprador dos aviões brasileiros foi os EUA, que importou US$ 516,3 milhões em aviões, 12,11% a menos do que no mesmo período do ano anterior. A queda confirma previsões conservadoras geradas pela crise mundial do setor aéreo a partir de setembro de 2001, após os atentados terroristas nos EUA. As companhias aéreas regionais dos EUA são as principais clientes da fabricante brasileira, particularmente da família de aviões ERJ.A Suíça foi o segundo país que mais comprou aviões do Brasil até abril. O país importou US$ 116,3 milhões em aeronaves de janeiro a abril, 53% a mais do que no mesmo período de 2001. A diferença se deve às entregas de aeronaves à companhia suíça Swiss, ex-Crossair, uma das principais clientes da Embraer.O terceiro maior importador de aviões até abril foi a Polônia, com compras de US$ 19,2 milhões (valor 49% inferior ao do mesmo período em 2000). A Lot, principal companhia aérea polonesa, já comprou 15 jatos ERJ 145 da Embraer e negocia outros.VarigA Varig aparece no quarto lugar na lista de maiores exportadoras nacionais nos primeiros quatro meses do ano por uma razão meramente contábil. Em janeiro, a companhia aérea devolveu quatro aviões à Boeing, numa operação conhecida como "lease-back" (venda seguida de aluguel) e que é discriminada na balança comercial como exportação.A operação somou US$ 336.159.115 e foi responsável pelo superávit comercial da balança brasileira em janeiro. Os números da Secex mostram que a Varig pagou os rescaldos da operação de lease-back até abril, no valor total de US$ 379,9 milhões, que entra na pauta do governo como exportação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.