Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Exportações de eletroeletrônicos caem 1,16% até agosto

As exportações brasileiras do setor eletroeletrônico registraram queda de 1,16% nos primeiros oito meses do ano na comparação com igual período de 2005. Os embarques somaram US$ 417,9 milhões, frente os US$ 421,53 milhões registrados no ano anterior. O levantamento foi realizado pela Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros).Segundo Paulo Saab, presidente da Eletros, o desempenho ficou bem abaixo do esperado. "As exportações não decolaram conforme previsto em razão da insegurança jurídica no comércio intra-Mercosul, especialmente com a Argentina, e devido à falta de condições de acesso preferencial aos novos mercados como México, União Européia e Estados Unidos, entre outros fatores", destacou.Para Saab, o governo não conseguiu articular uma ação efetiva de política comercial que garantisse condições de acesso preferencial do País a esses mercados, "privilegiando as negociações comerciais com as nações mais pobres, aquelas situados abaixo da linha do Equador".Outros aspectos negativos apontados pelo presidente da Eletros foram relacionados à decisão do Brasil de conceder a condição de entrada no País sem pagamento de imposto de importação para os 32 países de menor desenvolvimento relativo, e ainda a proposta de incluir produtos do setor eletroeletrônico na relação de bens ambientais, com a importação isenta de impostos. "São fatores que, conjugados, poderão representar um quadro ainda mais sério de ameaça às exportações do setor e à competitividade da indústria", alertou Saab.A principal queda dentro do setor foi verificada no segmento de portáteis - com recuo de 13,11%. Já na área de importações, o maior aumento foi registrado na linha branca, com alta de 126,35% em comparação com o ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.