Exportações do Brasil crescem acima da média, diz OMC

Mesmo com a valorização do câmbio, as exportações brasileiras cresceram em 24% em valores nos oito primeiros meses do ano. Segundo a Organização Mundial do Comércio (OMC), a taxa de aumento é bem superior à média mundial.Na avaliação da entidade com sede em Genebra, o crescimento do comércio internacional em dólares foi de 14% até agosto deste ano. Em termos de volume, o crescimento esperado do comércio mundial para 2005 deverá ser de 6,5%, abaixo das taxas registradas em 2004.Hoje, a OMC publica suas novas estatísticas sobre os fluxos de importação e exportação. Em 2004, o crescimento nos volumes das exportações foi de 9%, enquanto o aumento nominal foi de 21%. No total, os fluxos internacionais de bens e serviços chegaram a US$ 8,9 trilhões. Em 2003, o crescimento havia sido inferior ao que se prevê para esse ano e foi de apenas 5%.Para 2005, a entidade constata que, diante da desaceleração do PIB mundial, o comércio também será impactado. Segundo a entidade, o crescimento do PIB mundial no primeiro trimestre foi de 2,6%, contra 3,5% em todo ano de 2004.Mesmo com a retomada do crescimento no Japão, a Europa continua fraca. No caso dos Estados Unidos, as exportações cresceram mais que importações no primeiro semestre do ano. A desaceleração ainda vai ser sentida na Ásia e América do Sul em especial."Enquanto o crescimento do comércio permanecer em níveis satisfatórios em 2005, a tendência à desaceleração é motivo para alguma preocupação", afirmou Pascal Lamy, diretor geral da OMC. Segundo ele, as economias precisam manter o ritmo de crescimento e criar "novas possibilidades de comércio para os países em desenvolvimento". Em sua avaliação, apenas a rodada de negociações da OMC pode oferecer isso, apesar de estar nesse momento paralisada diante da falta de um entendimento sobre a liberalização agrícola.Além da desaceleração do PIB mundial, outro motivo para os resultados de 2005 foi a redução das taxas de expansão do comércio principalmente na Ásia e Europa. Ajustadas ao câmbio, as exportações dos países ricos praticamente estiveram estagnadas no primeiro trimestre do ano, mas se recuperaram entre abril e agosto.Na avaliação da OMC, porém, essa recuperação não deve ser mantida diante da perspectiva de crescimento reduzido da economia européia e diante das incertezas em relação ao preço do petróleo. Com um aumento em 43% nos preços do petróleo em 2004, a OMC estima que essa tendência tenha ajudado as exportações dos países do Oriente Médio, mas afetam a confiança dos consumidores nos países ricos e, portanto, as próprias importações. Já os minérios tiveram um aumento de exportações de 30% em 2004, com um aumento nos preços de 24%.No caso da Europa, o continente chegou a ter uma queda de 5% em suas importações no primeiro trimestre, embora tenha se recuperado nos meses seguintes. Quanto à China, a OMC ainda aponta que o país está comprando menos do que exporta em 2005, apesar de continuar apresentando um aumento de seu PIB de 9,5% no primeiro semestre do ano. Mesmo assim, entre 2000 e 2004, a participação chinesa no comércio mundial dobrou e o país já é o terceiro maior parceiro comercial do mundo.Já para 2006, a OMC estima que se a economia mundial apresentar um aumento do PIB melhor que o de 2005, o comércio poderá ter uma expansão de 7%.BrasilJá desempenho do Brasil é avaliado com atenção pela OMC desde o ano passado. Nos primeiros oito meses do ano, o aumento em termos nominais em exportações foi de 24%, contra um aumento de 23% no Chile e 15,7% na Argentina. A média da América do Sul, porém, foi de 27%, incentivada pelos ganhos da Venezuela com os preço do petróleo. Mesmo assim, a média da região foi inferior à de 2004, quando o aumento foi de 33%. Até esse ano, o Brasil se mantinha na 25ª posição entre os maiores exportadores do mundo e entre os 29 maioresimportadores.Já em 2004 o Brasil mostrou crescimento superior ao da região e passou a representar um terço das exportações do continente, segundo a OMC. A OMC ainda destaca que, em 2004, o Brasil se tornou o maior exportador de serviços de turismo da região, superando a República Dominicana. No mundo, o setor movimenta US$ 626 bilhões e cresceu 18% em 2004. No caso do Brasil, o aumento foi de 30%.A entidade ainda aponta que os preços dos produtos agrícolas se estagnaram nesse ano, enquanto os dos alimentos até caíram. Pior, em 2004, os produtos agrícolas foram os bens que tiveram o menor crescimento em termos nominais.O aumento em volume foi de apenas 3,5%, contra um aumento médio mundial de 9%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.