Exportações estão a caminho dos US$ 100 bi em 2005, prevê Furlan

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, disse hoje que já há sinais de queda nas exportações brasileiras, algo que tradicionalmente ocorre no final do ano. A queda se deve à redução dos embarques de produtos agrícolas e, também, ao aumento da demanda interna por aço - o que é considerado um bom sinal pelo ministro, pois indica que haverá exportação de produtos com maior valor agregado.Segundo Furlan, o importante é que as exportações se mantenham acima do nível registrado no ano passado. Ele acredita que elas somarão perto de US$ 94 bilhões, neste ano, e estarão "a caminho dos US$ 100 bilhões" no ano que vem. Sobre o acordo Mercosul-União Européia, Furlan destacou que ele também interessa ao empresariado europeu. "O setor privado europeu está engajado e há interesse político dos dois lados", disse. "Precisamos é suar um pouco mais a camisa e chegar a um bom termo. Eles estão totalmente engajados", acrescentou. Essa foi a impressão que o ministro colheu na semana passada, quando esteve na Alemanha.Na avaliação de Furlan, os negociadores "perderam um tempo precioso" com "idas e vindas no acordo". Ele ressaltou que uma reunião de técnicos deverá ocorrer ainda este ano e que um encontro ministerial está programado para o início de 2005, para que não se perca o fôlego adquirido em seis anos de negociações.A nova comissão européia assume em novembro e será presidida pelo ex-primeiro-ministro de Portugal José Manuel Durão Barroso. É, segundo Furlan, uma pessoa que conhece o Brasil e que tem uma boa relação pessoal com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.