Exportações mantêm crescimento; importações, queda

O resultado da primeira semana de outubro da balança comercial brasileira demonstra a manutenção da tendência de aumento das exportações e queda das importações. Segundo boletim divulgado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, a média diária das exportações nessa primeira semana foi de US$ 284 milhões, 24,9% maior que a média registrada em período semelhante em 2001, quando a média diária foi de US$ 227,4 milhões. Já as importações sofreram uma retração de 10,7% na comparação com a primeira semana de outubro de 2001. A média diária na primeira semana de outubro deste ano foi US$ 193 milhões, enquanto que na do mesmo período em 2001 foi US$ 216,2 milhões. A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 364 milhões nos quatro primeiros dias úteis deste mês, resultado de exportações no valor de US$ 1,136 bilhão e importações de US$ 772 milhões. No ano, as exportações acumulam US$ 44,654 bilhões e as importações, US$ 36,432 bilhões. O superávit comercial acumulado de janeiro até a primeira semana de outubro é de US$ 8,222 bilhões. Na comparação com setembro deste ano, as exportações na primeira semana de outubro registraram queda de 8,1%, puxada pela retração nas vendas de básicos (21,2%) e manufaturados (8,7%). As importações na primeira semana de outubro subiram 1% ante o resultado da primeira semana de setembro, registrando aumento nas compras de adubos e fertilizantes, aeronaves e peças, borracha e obras, combustíveis e lubrificantes e automóveis e partes. No entanto, setembro foi um mês atípico: registrou recorde histórico de superávit e exportações, principalmente de produtos básicos, como reflexo da normalização dos dados pela Receita Federal relativos aos embarques de soja, ocorridos em meses anteriores mas registrados apenas em setembro no Siscomex.

Agencia Estado,

07 de outubro de 2002 | 17h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.