Exportador aprova fim da cobertura cambial

O presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), Marcus Vinicius Pratini de Moraes, comemorou ontem a decisão do governo de retirar o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 0,38% sobre as exportações e de determinar o fim da cobertura cambial, isto é, a obrigatoriedade dos exportadores de trazer para País parte das receitas obtidas no exterior com as vendas de seus produtos."As medidas vão ajudar o desempenho das exportações", afirmou o executivo. Ele ressaltou que todas as decisões que reduzem os custos de exportação são bem vindas, especialmente neste momento em que o real está valorizado em relação ao dólar. De toda forma, ele ponderou que o principal problema para o setor exportador reside na valorização excessiva do real em relação ao dólar, que tira a competitividade dos produtos brasileiros no exterior.Para o presidente da Abiec,o pacote cambial também deverá ter um impacto no câmbio. Com fim da obrigatoriedade da cobertura cambial, menos divisas provenientes das exportações ingressarão no País. Com isso, a tendência é de que o dólar tenha uma ligeira valorização em relação ao real. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.