Exposição no Brasil preocupa empresas espanholas

O mercado espanhol está preocupado com a exposição de suas empresas no Brasil. A acentuada desvalorização do real nos últimos dias poderá reduzir os ganhos de grupos como Telefónica, Iberdorla e o bancos Santander Central Hispano e BBVA. A crise argentina já causou perdas superiores a US$ 14 bilhões para as empresas espanholas com investimentos naquele país.O governador do Banco Central da Espanha, Jaime Caruana, procurou minimizar o nervosismo com a crise no Brasil. "Eu não daria maior importância a isso", afirmou. Segundo ele, a economia brasileira difere da argentina por contar com uma maior flexibilidade e estar saneada.Mas o nervosismo dominou a Bolsa de Valores de Madri. Os principais mercados acionários do mundo sofreram perdas nos últimos dias, mas segundo analistas, o fator Brasil foi um elemento negativo adicional sobre os ativos espanhóis. O índice Ibex 35 da bolsa madrilenha caiu 5,9% nesta semana, o pior resultado desde os ataques terroristas nos Estados Unidos, em 11 de setembro. Uma das empresas mais atingidas foi a Telefónica, cujas ações caíram hoje 2,67%. O Brasil é principal fonte de faturamento do grupo na América Latina.Segundo o analista da corretora espanhola Ibersecurities, Miguel Crespo, a crise no Brasil deverá diminuir ainda mais o apetite os espanhóis por novos investimentos na América Latina. "Nos próximos cinco anos não deveremos ter grandes novos investimentos na região", disse Crespo à Agência Estado. "Veremos apenas os grandes grupos consolidando seus negócios". Crespo disse que está ficando claro, neste momento, que as empresas espanholas "cometeram um erro de concentração de risco na América Latina". Segundo ele, os espanhóis, a partir de agora, vão começar a diversificar, principalmente no leste europeu.

Agencia Estado,

07 de junho de 2002 | 16h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.