Expropriação na Argentina pode prejudicar toda a região, diz OCDE

Declaração vai de encontro à avaliação do ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, que acha que a expropriação da YPF não prejudica as relações da América do Sul com a Europa  

Patrícia Braga, da Agência Estado,

18 de abril de 2012 | 19h55

O diretor da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Jose Angel Gurria, disse que a expropriação da YPF SA pela Argentina pode ter um impacto negativo em toda a região. "Definitivamente esta não é uma boa notícia para ninguém", afirmou Gurria.

A decisão do governo da Argentina na segunda-feira de expropriar 51% da participação da espanhola Repsol na maior companhia de petróleo do país, "tem um impacto negativo nos investidores e na imagem do país", disse Gurria. Infelizmente o impacto é inevitável para os que dizem que a região, ou outros países emergentes podem fazer movimentos semelhantes", acrescentou o dirigente da OCDE.

Já o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, disse não acreditar que a decisão do governo argentino de tomar o controle da petroleira YPF, subsidiária da espanhola Repsol, vá prejudicar as relações da América do Sul com a Europa. "As relações com a Europa são excelentes", disse.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.