Werther Santana / Estadão
Werther Santana / Estadão

Com apetite a risco no exterior, Bolsa fecha em alta e dólar cai a R$ 3,86

Principal índice de ações do País, o Ibovespa terminou o pregão desta quarta-feira beirando os 87 mil pontos

Maria Regina Silva, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2018 | 12h53

O apetite pelo risco embalou os ativos globais durante esta quarta-feira, 12, garantindo alta das bolsas e queda do dólar, embora a virada dos preços do petróleo para o negativo tirou fôlego das ações em Wall Street e no Brasil.

No Brasil, em função do bom humor externo, o real teve o melhor desempenho entre as divisas de economias emergentes, considerando uma cesta de 24 moedas, com o dólar à vista fechando aos R$ 3,8582, em queda de 1,42%. No mercado de ações, mesmo com os papéis da Petrobrás tendo hesitado após a virada do petróleo na última hora de negócios, o Ibovespa fechou em alta de 0,65%, aos 86.977,46 pontos, amparado pelos ganhos do setor financeiro.

O bom desempenho dos ativos brasileiros manteve-se amparado nas declarações do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sinalizando disposição no diálogo com a China na questão comercial e na perspectiva de alívio na crise política do Reino Unido.

O Partido Conservador vota nesta quarta-feira moção de desconfiança à liderança da primeira-ministra Theresa May e a expectativa é de que ela consiga permanecer no cargo, o que, em especial, fortaleceu a libra.

O dólar teve queda generalizada e os rendimentos dos títulos públicos americanos estiveram menos pressionados.

Na esteira do câmbio, os juros futuros de longo prazo encerraram com queda firme no País. A ponta longa teve recuo mais modesto, refletindo o compasso de espera pelo comunicado do Copom, que confirmou mais tarde a previsão de que a Selic seria mantida em 6,50%.

Mais conteúdo sobre:
bolsa de valoresdólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.