JValter Campanato/Agência Brasil
JValter Campanato/Agência Brasil

Exterior retoma cautela e mercado local acompanha agenda de reformas

Proposta do governo para mudança nos impostos deve incluir a criação de um IVA de tributos federais; também está em estudo a correção da tabela do IR pela inflação para compensar fim de deduções

Silvana Rocha e Luciana Xavier, O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2019 | 08h35

Com uma agenda econômica mais fraca nesta sexta-feira, 9, o mercado local deve ser afetado pela piora do humor externo após a trégua de quinta-feira e também ficará atento à agenda do Congresso.

Agora é com o Senado 

Com a chegada da reforma da Previdência ao Senado, as articulações dos partidos e dos governadores em torno de uma proposta de emenda à Constituição (PEC) paralela para inclusão de Estados e municípios ficam no radar. 

Na Câmara, deve começar na próxima semana a discussão do projeto de lei que altera as regras de aposentadoria dos militares. O relator, deputado Vinícius Carvalho (PRB-SP), defende que o presidente Jair Bolsonaro não se envolva nas negociações e que essa tarefa deve ser tocada pelo Ministério da Defesa e Forças Armadas. 

Carvalho evita se comprometer com a manutenção de uma economia líquida de pelo menos R$ 10,45 bilhões em dez anos com a reforma e reconhece a chance de flexibilizações, a depender das negociações com líderes. A bancada da segurança pública articula a inclusão de policiais e bombeiros nesse projeto de lei e quer manter o tempo de contribuição dos militares em 30 anos. 

Mudanças no IR no radar

Além disso, o investidor deve aguardar o anúncio de uma proposta de reforma tributária pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, na semana que vem. O Estadão/Broadcast apurou que o governo federal defende a criação de um IVA de tributos federais, reunindo o PIS/Cofins, ISS, uma parte do IOF e talvez da CSLL. 

Também estuda corrigir a faixa de isenção do Imposto de Renda da Pessoa Física (hoje, em R$ 1.903,98 mensais) pela inflação e promover um corte linear nas alíquotas de todas as faixas de renda a fim de compensar o fim de deduções de gastos com saúde e educação. 

Atualmente, com as deduções médicas, o governo abre mão de R$ 45,9 bilhões em tributos. No caso da educação, há um limite de descontos no IR para gasto próprio ou de dependentes, de R$ 3.561,50 por pessoa.

O secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, disse que um imposto sobre pagamentos, que será chamado de contribuição previdenciária, será proposto para compensar a desoneração da folha de pagamentos. Segundo ele, é "da mesma espécie" da extinta CPMF

Indicadores de atividade e inflação na agenda do dia

A agenda desta sexta tem como destaque a divulgação da Pesquisa Mensal de Serviços de junho pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta manhã. 

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede a inflação na cidade de São Paulo, subiu 0,12% na primeira quadrissemana de agosto, desacelerando levemente em relação ao aumento de 0,14% verificado no fechamento de julho, segundo dados publicados nesta sexta pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Bolsas da Europa têm perdas

Nas Bolsas europeias e futuros de Nova York, as perdas prevalecem e a libra se mantém perto das mínimas do dia, após os dados mais fracos que o esperado sobre o Produto Interno Bruto (PIB) e produção industrial do Reino Unido, além de preocupações renovadas com eventual colapso do governo de coalizão da Itália e o risco de recessão na economia americana na esteira das tensões comerciais entre Estados Unidos e China

Por volta das 7h20, a Bolsa de Milão caía 2,41%, a de Londres, 0,25% e a de Frankfurt, 0,98%. Nos mercados futuros de Nova York, Dow Jones recuava 0,45%, S&P500 tinha queda de 0,52% e Nasdaq de 0,71%. 

Na Ásia, os mercados acionários fecharam sem direção única, após um avanço da inflação para o consumidor na China em julho e em meio à orientação da moeda pelo banco central chinês a 7,0136 yuans por dólar, mantendo segundo os analistas um ritmo de desvalorização que não caracterizaria uma guerra cambial

Em Tóquio, o índice Nikkei subiu 0,44%; na China,  o Xangai Composto caiu 0,71%; e, em Sydney, S&P/ASX 200 subiu 0,25%.

A cotação de petróleo estava em alta no mesmo horário: o WTI para setembro, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) subia 0,702, a US$ 52,92 o barril, e o Brent para outubro, negociado na International Exchange (ICE), subia 0,92%, a US$ 57,91 o barril.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.