Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook
Imagem Fábio Alves
Colunista
Fábio Alves
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Há menos tolerância dos investidores para perdoar ataques à democracia ou crises institucionais

Com indulto a Daniel Silveira, Bolsonaro desafiou STF e deflagrou crise; mercado esperava maior volatilidade na Bolsa de Valores e em outros ativos a partir de agosto, quando corrida presidencial pega fogo

Fábio Alves*, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2022 | 04h00

Quando a guerra na Ucrânia estourou, muitos analistas atribuíram o aumento no fluxo de capital estrangeiro para ativos brasileiros à fuga dos investidores da Rússia em direção a uma grande economia emergente mais estável política e institucionalmente. A mais recente crise entre o Palácio do Planalto e o Supremo Tribunal Federal (STF) deve afetar essa visão favorável ao Brasil pelos investidores globais.

Já eram esperadas, em 2022, maior volatilidade e turbulência na Bolsa de Valores brasileira e em outros ativos, como o câmbio, em razão das eleições presidenciais. Esperava-se, contudo, que o nervosismo dos investidores com o ciclo eleitoral fosse afetar o mercado brasileiro a partir de agosto, quando normalmente a corrida presidencial pega fogo.

Mas, ao conceder indulto ao deputado Daniel Silveira (PTB-RJ), condenado a oito anos e nove meses de prisão, o presidente Jair Bolsonaro desafiou o STF e deflagrou uma crise sobre a qual, hoje, ninguém garante que o pior ficou para trás e a tensão acabou.

A eleição é o pano de fundo do novo embate entre os poderes Executivo e Judiciário. O perdão à pena imposta a Silveira foi claramente uma tentativa de Bolsonaro em agradar à base mais fiel de apoiadores, num momento em que se recupera nas pesquisas de intenção de voto.

Há alguns meses, alguns investidores chegaram a defender a tese de que, em razão da polarização consolidada entre Bolsonaro e o ex-presidente Lula, com uma terceira via já considerada fora do baralho, a eleição deste ano talvez pudesse não causar tanta volatilidade quanto nos pleitos anteriores, uma vez que os dois candidatos que deverão disputar o segundo turno já são conhecidos do mercado – em seus defeitos e qualidades.

A tensão institucional causada pelo indulto mostra que uma parte do mercado foi ingênua em crer que a queda forte do dólar até a semana passada não fosse ser revertida mesmo com o início para valer da campanha eleitoral.

Mas, daqui em diante, não se podem descartar atitudes radicais de Bolsonaro, com ameaça de nova crise institucional, na tentativa de impedir sua derrota nas urnas. Ou, caso seja derrotado, contestar o resultado das eleições para além de duras críticas.

Além disso, a sinalização de um ciclo mais agressivo de alta dos juros americanos pelo Federal Reserve deve enxugar fortemente a liquidez internacional. Países emergentes, como o Brasil, podem sofrer consequências com a saída de capital. Ou seja, há menos tolerância dos investidores para perdoar ataques à democracia ou crises institucionais. 

*COLUNISTA DO BROADCAST 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.