Javier Verdin/ Reuters
Javier Verdin/ Reuters
Imagem Fábio Alves
Colunista
Fábio Alves
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Mulheres furam o 'clube do Bolinha' e comandam BCs, mas ainda são mais escrutinadas que homens

Domar a disparada de preços é uma tarefa árdua independentemente de gênero

Fábio Alves*, O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2022 | 04h00

Quando o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, vazou a jornalistas a mais recente decisão sobre a taxa básica de juros, que seria divulgada oficialmente apenas no fim do mesmo dia, choveram críticas sobre uma possível interferência política e questionamentos sobre a independência do Banco Central mexicano (Banxico), desde janeiro comandado por uma mulher pela primeira vez na sua história.

Logo em seguida, López Obrador pediu desculpas e reiterou o respeito à independência do BC mexicano, mas Victoria Rodriguez, a presidente do Banxico, teve de vir a público reafirmar repetidamente a sua autonomia. Aliás, essa não foi a primeira vez que ela teve de enfrentar críticas.

Quando foi nomeada por López Obrador, substituindo de última hora o candidato original do presidente mexicano para o cargo, Rodriguez teve posta em dúvida a sua capacidade para chefiar um dos principais BCs da América Latina. O jornal inglês Financial Times chamou Rodriguez de “obscura economista do setor público” no mesmo artigo sobre o pedido de desculpas de López Obrador.

Quantos homens com estofo acadêmico ou currículos nem um pouco brilhantes alçaram o posto de banqueiro central de economias importantes que não sofreram o mesmo escrutínio que a atual presidente do Banxico?

É cada vez crescente o número de mulheres que está furando o “clube do Bolinha” e comandando bancos centrais. Desde fevereiro, Rosanna Costa comanda o BC do Chile, outra grande economia da região. Ao contrário de Rodriguez, no México, Costa não teve a sua nomeação questionada, uma vez que ela já era uma das diretoras da instituição. Na América Latina, mulheres também estão à frente dos BCs de Cuba, Aruba e Ilhas Cayman.

No México, o Banxico elevou os juros em 0,50 ponto porcentual para 6,50%, e Rodriguez deu um recado duro ao dizer que fará o que for necessário para atingir a meta de inflação. No Chile, o BC ajustou a taxa básica em 1,50 ponto, para 7%, mas frustrou o mercado, que esperava alta de 2 pontos.

O trabalho de Rodriguez e Costa está particularmente difícil em razão da elevada inflação nos dois países. No México, o índice de preços ao consumidor atingiu a taxa anual de 7,29% na primeira quinzena de março, bem acima da meta de inflação de 3%. No Chile, com meta também de 3%, a inflação anual foi de 7,81% em fevereiro.

Domar a inflação é uma tarefa árdua independentemente de gênero e até a renomada economista Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu, está sofrendo para combater a disparada nos preços. 

* COLUNISTA DO BROADCAST

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.