Fábrica da Hyundai em Piracicaba terá 3º turno e abrirá mais 600 vagas

Automóveis. Com demanda em alta pelo modelo HB20, produzido na unidade, empresa coreana decidiu aumentar a produção; veículo já aparece na quarta colocação entre os mais vendidos do País, atrás apenas do Gol, da VW, e do Uno e do Palio, da Fiat

CLEIDE SILVA, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2013 | 02h07

A coreana Hyundai vai iniciar, ainda neste semestre, um terceiro turno de trabalho na fábrica de Piracicaba (SP), medida que deve gerar a abertura de 600 a 700 novas vagas diretas. Com a nova turma, o grupo ampliará sua capacidade produtiva - inicialmente de 150 mil veículos - antes mesmo de completar um ano de operação.

A fábrica iniciou a produção em setembro, com 1,5 mil funcionários e, no mês seguinte, já teve de adotar o segundo turno de trabalho para dar conta da demanda do modelo HB20. Atualmente, a unidade emprega 2 mil pessoas, cerca de 1,8 mil delas no setor de produção.

O modelo, que em fevereiro ganhou uma versão mais esportiva, a HB20X, já aparece na quarta colocação entre os automóveis mais vendidos no País na lista divulgada na primeira quinze de março pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Fica atrás apenas do Gol, da Volkswagen, e do Uno e do Palio, ambos da Fiat. Em abril, a Hyundai lançará uma versão sedã, chamada de HB20S.

Com preços entre R$ 32 mil e R$ 48 mil, o HB20 tem fila de espera de cerca de 20 dias, em média, em várias lojas de São Paulo, segundo os lojistas.

O gerente de Relações Públicas e Imprensa da Hyundai, Maurício Jordão, diz que a fábrica produz atualmente 34 carros por hora, o que contemplaria as 150 mil unidades num ano completo de operação. Com o terceiro turno, esse número será ampliado, mas a empresa ainda não fechou números.

Segundo Jordão, as bases para a adoção do terceiro turno serão discutidas hoje com o Sindicato dos Metalúrgicos de Piracicaba. "Vamos discutir de que forma será implantado o novo turno, quantas contratações serão necessárias e se serão temporárias ou fixas", diz.

O presidente do sindicato, José Luiz Ribeiro, calcula a abertura de 600 a 700 novas vagas apenas na linha de montagem da Hyundai. "Tem ainda os 12 fornecedores que atuam ao lado da fábrica, que também precisarão contratar."

Ribeiro afirma que, atualmente, os funcionários realizam em média 2 horas extras diárias, além de trabalhar aos sábados.

Segundo ele, o sindicato pretende agilizar o início das contratações, mas ressalta que os novos funcionários terão de passar por um período de treinamento, por isso não é possível, atualmente, informar quando terá início o terceiro turno.

Ranking. Desde o início das vendas, em 10 de outubro, até a primeira quinzena de março foram vendidas 48 mil unidades do HB20. No primeiro bimestre, a Hyundai ficou em quinto lugar no ranking das maiores montadoras, desbancando a francesa Renault e as japonesas Honda e Toyota. À sua frente estão Fiat, Volkswagen, GM e Ford.

Logo no início de suas operações, a Hyundai enfrentou greve de um dia de trabalhadores que reivindicavam aumento salarial. Segundo Ribeiro, esse problema foi resolvido com a elevação do piso salarial de R$ 1,2 mil para R$ 1,6 mil e acordo de reajustes semestrais de 5%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.