Fábrica de R$ 250 mi produzirá veículos da marca Towner no ES

A brasileira CN Auto assinou contrato de licença com a chinesa Hafei Motors; produção está prevista para 2014

CÍNTIA BRINGHENTI , ESPECIAL PARA O ESTADO / VITÓRIA, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2012 | 03h08

A fabricante chinesa de veículos Hafei Motor Company e a brasileira CN Auto assinaram ontem um contrato de licença e transferência de tecnologia para a produção de automóveis da nova linha de modelos Towner, em Linhares (ES).

Será a primeira fábrica autorizada pela Hafei Motor na América do Sul, que também tem unidades na Malásia, no Vietnã e no Irã. O investimento é de R$ 250 milhões na primeira fase, com recursos próprios e do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES), por meio do Banco do Nordeste. O empreendimento será implantado em quatro etapas, gerando 1,2 mil empregos na fase final, prevista para ser implantada em 2016.

"Somente em 2011, nós exportamos 20 mil veículos para o Brasil. E essa parceria com a CN Auto vai abrir uma nova página na indústria automobilística. Toda a linha de produção atual será remodelada, de forma a atender às exigências do Brasil", afirmou o presidente da Hafei Motor, Liu Zhengjun. Segundo ele, a fabricação interna vai reduzir os gastos da empresa com o pagamento do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

O empreendimento está sendo planejado desde novembro de 2011, quando foi assinado um protocolo de intenções entre a CN Auto e o governo do Estado. A ideia era anunciar o início das obras no começo de 2012, mas o novo regime automotivo - que aumentou as exigências de localização da fabricação - adiou os planos da empresa.

Início das obras. As obras da fábrica da CN Auto, previstas para começar em janeiro de 2013, ainda dependem de licença ambiental. Cinco modelos da nova linha da Towner - três tipos de picapes e dois de minivan - deverão começar a ser produzidos a partir de 2014.

"No setor automobilístico você não tem como instalar uma fábrica sem o respaldo de uma tecnologia de fora. Por isso, nós escolhemos o grupo Hafei, que é um dos maiores grupos chineses no setor, com mais de 30 anos de experiência", disse o diretor-geral da CN Auto, Ricardo Strunz.

No Brasil, o Porto de Vitória é o principal canal de entrada de produtos importados pela CN Auto desde 2008. Essa foi a razão da escolha de fazer o investimento no Estado.

"Espírito Santo está próximo aos principais mercados consumidores do País, como Rio e São Paulo, e Linhares está interligada a portos e rodovias e faz parte da Sudene, o que facilita a obtenção de linhas de crédito para a indústria", explicou Strunz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.