Fabricante de papel UPM vê momento mais difícil na Europa

A UPM-Kymmene Oyj, maior fabricante mundial de papéis gráficos, alertou para mais tempos difíceis para a indústria de papel após ter divulgado uma queda de 33 por cento em seu lucro no terceiro trimestre.

JUSSI ROSENDAHL, REUTERS

26 de outubro de 2011 | 17h10

A UPM disse nesta quarta-feira que espera que as condições fracas de mercado se mantenham no quarto trimestre, especialmente para a madeira serrada. A demanda por papel gráfico na Europa será um pouco menor que a de um ano atrás, disse.

"Estamos preparados para um inverno pesado. Já existe um claro declínio na demanda na Europa para a nossos negócios de madeira e madeira compensada", disse o presidente-executivo da companhia, Jussi Pesonen, em comunicado.

A desaceleração econômica global está agravando os problemas da indústria do papel europeia, que já estava lutando com o encolhimento da demanda, o excesso de capacidade e aumento da concorrência asiática.

O lucro operacional da UPM no terceiro trimestre, excluindo custos de reestruturação e outros itens extraordinários, caiu 33 por cento ante um ano atrás para 136 milhões de euros, ou 5,2 por cento das vendas.

Os lucros provenientes da celulose se reduziram pela metade, para 88 milhões de euros com paradas para manutenção, vendas mais fracas e preços mais baixos.

A empresa informou que espera que o lucro anual caia, e analistas preveem, em média, recuo de 5,5 por cento no lucro operacional ante 2010 para 691 milhões de euros.

Tudo o que sabemos sobre:
PAPELUPMCENARIO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.