Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Fabricante do BlackBerry lança tablet no Brasil

RIM fecha acordos para ter aplicativos nacionais no PlayBook, que vai disputar mercado com produtos como o iPad e o Galaxy Tab

NAYARA FRAGA, RENATO CRUZ, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2011 | 03h06

A RIM, fabricante do BlackBerry, lançou ontem no Brasil o seu tablet PlayBook. Com tela de 7 polegadas, o aparelho tem preço promocional a partir de R$ 1.299. A empresa também anunciou aplicativos brasileiros no BlackBerry App World, incluindo o do jornal 'O Estado de S. Paulo'.

"O Brasil é um mercado extremamente importante para nós", afirmou Peter Gould, diretor geral da RIM no Brasil. "Temos 37% do mercado de smartphones na América Latina, e não se vence na América Latina sem vencer no Brasil."

O PlayBook estará à venda na Americanas.com, Fnac, Saraiva, Shoptime e Submarino. Nos próximos dias, a Claro também começará a vender o aparelho. O modelo de 16 gigabytes (GB) de memória tem preço promocional de R$ 1.299, o de 32 GB sai a R$ 1.599 e o de 64 GB, a R$ 1.949.

Com 425 gramas, o tablet tem processador de dois núcleos de 1 GHz. Outros parceiros locais da RIM, com aplicativos para o PlayBook, são o Bradesco, Cinemark, Exame, Placar UOL, Época, Sonora e Caras.

Outros aplicativos apresentados ontem foram o do Facebook e o Surf Vote, no qual usuários votam nas ondas dos campeonatos mundiais de surfe antes dos juízes oficias. "A marca BlackBerry é geralmente associada a negócios. Mas, agora, nós estamos em tudo", disse o gerente de alianças para a América Latina da RIM, Angel Aldana.

Pelo menos por enquanto, o tablet será importado. "Temos fabricação local de celulares desde março de 2010, terceirizada para a Flextronics", disse Gould. "Apesar das reduções de impostos para a produção local de tablets, não tenho liberdade para comentar planos."

Concorrência. A competição no mercado de tablets não é fácil. Atualmente, ele é dominado pelo iPad, da Apple, e tem concorrentes fortes, como o Galaxy Tab, da Samsung, e o Xoom, da Motorola. Fora do Brasil, grupos como HP ea Dell desistiram dos seus tablets. Analistas chegaram a perguntar se a RIM não seria a próxima. "Estamos comprometidos com esse mercado", disse Gould. "No Brasil, ainda existem dezenas de milhões de pessoas sem acesso à internet. O potencial é muito grande."

Segundo Aldana, o foco inicial do PlayBook são os 70 milhões de usuários de BlackBerry de todo o mundo. Na América Latina, o aparelho também é vendido na Venezuela, Chile, México, Colômbia, Peru e Argentina.

O PlayBook tem somente conexão Wi-Fi. Ele pode se conectar a smartphones que permitem "tethering" - função em que o aparelho funciona como um modem sem fio conectado à rede celular. "Em 2012, teremos modelos 3G e 4G", disse Aldana.

Na semana passada, a RIM enfrentou uma pane séria, que deixou usuários sem serviço em várias partes do mundo, incluindo o Brasil. "Pedimos desculpas ao mercado", disse Gould. A RIM analisa o que ocorreu para evitar que isso se repita. Para se desculpar, a empresa resolveu oferecer gratuitamente US$ 100 em aplicativos para os clientes afetados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.