Divulgação
Divulgação

Fabricante do Rafale, Dassault aposta no Brasil contra crise

Venda do avião ao País daria uma injeção de ânimo na empresa em meio a um setor aéreo ainda em crise

Agência Estado,

10 Janeiro 2010 | 09h13

Enquanto executivos do governo da França tentam demonstrar "serenidade" à imprensa europeia e brasileira, o principal acionista da Dassault, companhia fabricante do caça Rafale, não hesita em reconhecer sua expectativa quanto à decisão de Brasília. Um dos três concorrentes da licitação FX-2, destinada a renovar a esquadrilha da Força Aérea Brasileira (FAB) com 36 novas aeronaves, o jato militar é uma alternativa para um mercado civil ainda em crise.

A ansiedade veio a público graças ao desabafo do acionista número 1 da companhia Dassault Aviation, Serge Dassault. Filho do fundador, Marcel Dassault, ele está afastado do comando do grupo desde 2000, mas segue ativo como conselheiro. E, na contramão do atual diretor-presidente da empresa, Charles Edelstenne, que preserva o silêncio, o herdeiro reconheceu a importância da venda do Rafale, não apenas para o Brasil, mas também para os Emirados Árabes Unidos, outro cliente potencial. "Até este momento, ainda não há encomenda do Brasil, mas todas as esperanças são permitidas", afirmou Serge, em entrevista à Radio Classic, da França, no fim da semana passada.

O início das vendas do Rafale - um caça até aqui jamais exportado e usado apenas pela Força Aérea Francesa - seria uma injeção de ânimo na empresa em meio à recessão. Em razão da crise econômica, que atinge em particular as grandes fortunas da Europa e dos Estados Unidos, as vendas do produto mais procurado da Dassault, o avião executivo Falcon, estão em queda. "Desde janeiro (de 2009) não vendemos muitos Falcons. Mas não se trata simplesmente de uma questão de preço, mas também da crise e do crédito", afirmou. "Nada disso ainda se recuperou muito bem, mas eu espero a retomada. E há os Rafale, também, que nós esperamos vender", afirmou Serge Dassault.

A queda nas vendas do Falcon é a razão pela qual duas das quatro usinas de produção da Dassault, Martignas e Biarritz, seguirão em férias coletivas, enquanto outras duas, Selon e Argenteuil, só retomarão a atividade em março. A empresa, no entanto, não fornece detalhes sobre o número de encomendas canceladas em decorrência da crise. Os resultados da empresa no exercício de 2009 só serão revelados em março. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Mais conteúdo sobre:
caças Dassault

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.