Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Fabricante vai deixar de produzir cápsula biodegradável de Nespresso

Envolvida há quase uma década numa batalha judicial por causa de seus produtos compatíveis com a Nespresso, empresa reduzirá a produção do formato a quase zero até o fim do ano

AFP

07 Julho 2017 | 15h16

A empresa suíça Ethical Coffee Company (ECC), que disputa o mercado de cápsulas para máquinas Nespresso com a Nestlé, disse nesta semana que vai deixar de produzir o seu formato, biodegradável, que deixou de ser "rentável".

A ECC, envolvida há quase uma década numa batalha judicial com a gigante alimentar por causa de suas cápsulas compatíveis com a Nespresso, disse que vai reduzir a produção do formato "não rentável" a quase zero até o fim do ano. "Estamos deixando o mercado do formato Nespresso, que é totalmente obsoleto, onde ninguém mais ganha dinheiro", disse à AFP o fundador da empresa, Jean-Paul Gaillard.

A companhia foi a primeira a desafiar o monopólio da Nestlé nesse setor. No auge, ela produzia 300 milhões de cápsulas do tipo por ano. Agora, eles pretendem fabricar entre 10 e 15 milhões de cápsulas biodegradáveis "apenas para agradar" seus "clientes mais fieis", disse Gaillard.

A ECC vai focar numa "nova geração" ecologicamente correta e mais flexível de cápsulas que vão "fazer pelo mercado de cafés o que o iPhone fez pelo de telefones", prometeu.

++ Aroma Selezione espera dobrar faturamento em 2017

Gaillard, que fundou a ECC em 2008 – 10 anos depois de deixar o cargo de CEO na Nespresso –, disse que sua empresa ficou muito abalada pela disputa permanente com a Nestlé, e que também sofreu com os cerca de 100 competidores que seguiram seus passos.

A Nestlé perdeu muitos processos, inclusive um esta semana na Alemanha e outro no fim de maio no Escritório Europeu de Patentes, por violar a patente da ECC usando uma espécie de "arpão" em algumas de suas máquinas para inutilizar as cápsulas de outras companhias.

Gaillard alegou que o formato da Nespresso está esgotado e que todos os fabricantes desse mercado estão padecendo. "Até a Nestlé vai começar a perder dinheiro", disse.

A Nestlé negou veementemente. "Eu posso garantir que o mercado de cafés em cápsulas é uma categoria dinâmica e em expansão e que temos tido crescimento sólido e rentável ano após ano", disse a porta-voz da empresa Katherine Graham à AFP por e-mail.

A Nestlé não divulga dados da Nespresso, mas a agência Bloomberg estima que ela vendeu US$ 4,5 bilhões em 2015.

Mais conteúdo sobre:
Nestlé

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.