finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Fabricantes de cachaça brigam pelas garrafas

Justiça diz que a Müller deve tirar do mercado garrafa com ?51? em relevo

Marili Ribeiro, O Estadao de S.Paulo

17 de novembro de 2007 | 00h00

A guerra das garrafas de litro retornáveis na indústria da cachaça, que vem se desenrolando em capítulos desde 1985, pode estar entrando em sua etapa final. A Companhia Müller, dona da marca líder de mercado, a 51, terá de cumprir a decisão de recolher todas as garrafas em circulação com o ?51? em relevo. A empresa também pode ter de pagar uma indenização de aproximadamente R$ 48 milhões às empresas Caninha Oncinha e Missiato Indústria e Comércio, dona da pinga 61. A Müller, porém, ainda pode recorrer da decisão da Justiça. Essas duas empresas alegam manipulação do mercado em função do poder econômico da Müller, capaz de impor suas garrafas e, com isso, obrigá-los a fazer "marketing involuntário". A maioria dos 30 mil fabricantes do País não tem como separar manualmente na linha de produção automatizada as garrafas recolhidas em bares. Como são embalagens de uso comum, deveriam ser lisas. Pior do que fazer propaganda à revelia, segundo o advogado da Oncinha, Carlos Ferraz, é o fato de as garrafas lisas escassearem, dificultado a operação dos fabricantes. "Em 1994, a 51 havia celebrado acordo comprometendo-se a não fabricar a garrafa da discórdia, que desapareceria naturalmente", diz ele. Mas a Müller seguiu com as garrafas identificadas. "É um inimigo poderoso, que intimida, mas todos vão se beneficiar da decisão judicial." Representantes da Müller não foram encontrados para se pronunciar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.