Fabricantes de tabaco também apostam no eletrônico

Fabricantes de tabaco também apostam no eletrônico

No mês passado, a Organização Mundial da Saúde pediu restrições mais robustas aos dispositivos

O Estado de S.Paulo

06 de outubro de 2014 | 02h06

Após acompanharem o avanço do mercado de cigarros eletrônicos, a indústria tabagista tradicional decidiu reagir, desenvolvendo novos produtos e também comprando fabricantes desse novo segmento.

As autoridades e os especialistas em saúde pública, no entanto, enfrentam dificuldades com profundas contradições e dúvidas, das quais a mais fundamental consiste em saber se os cigarros eletrônicos vão afastar milhares de fumantes desse hábito mortífero ou formar uma nova geração de viciados em nicotina.

No mês passado, a Organização Mundial da Saúde pediu restrições mais robustas aos cigarros eletrônicos, incluindo a proibição ao seu uso em áreas internas, manifestando também "grave preocupação"com o crescente papel desempenhado pelas empresas do tabaco na indústria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.