Fabricantes de TV 3D veem futuro brilhante

Nos EUA, aparelhos devem representar metade das vendas de TVs em cinco anos 

Jared Newman, The New York Times,

28 de agosto de 2010 | 16h47

Quase dois terços dos consumidores norte-americanos já abandonaram os velhos televisores com tubo de imagem pelos aparelhos de tela plana e de alta definição. Agora, porém, os fabricantes procuram atrair a população para as lojas com TVs em 3 dimensões.

Entre as ferramentas de atração deste "namoro" estão os óculos 3D e discos Blu-ray de nova geração. As redes de varejo oferecem também descontos e transmissões especiais de eventos esportivos - algumas redes de lojas, como a Best Buy, vão usar a programação da rede ESPN para demonstrar a tecnologia à clientela ainda indecisa.

Com base nesses atrativos, analistas de mercado preveem que a estratégia tem boas chances de dar resultado, com as TVs em 3D devendo representar metade das vendas do produto no país nos próximos cinco anos.

Perfil do cliente. Atualmente, as TVs 3D constituem apenas um fragmento do mercado, respondendo por cerca de 2,5% das vendas de aparelhos novos nos Estados Unidos no último trimestre, segundo o instituto de pesquisa iSuppli.

Riddhi Patel

, diretor de serviços de televisão da iSuppli, disse que 83% dos entrevistados que adquiriram TVs 3D tendem a comprar diferentes tipos de aparelhos de tecnologia mais recente - além disso, a metade deles tem renda familiar anual de pelo menos US$ 100 mil.

Uma sondagem da Frank N. Magid Associates, empresa de consultoria do setor de entretenimento, mostra que um quarto dos consumidores pretende comprar um aparelho habilitado para 3D nos próximos 12 meses - entre os homens com idade entre 18 e 24 anos, a proporção é bem maior, de quase 40%. "Estamos vendo uma curva (ascendente) de adoção próxima da dos aparelhos de alta definição", afirmou Chris Fawcett, vice-presidente do segmento de televisores da Sony.

Os consumidores norte-americanos já estão familiarizados com a nova tecnologia. Mais de dois terços já assistiram a um filme 3D no cinema, segundo pesquisa da Magid Associates. Além disso, as lojas de eletrônicos e grandes redes de varejo do país fazem demonstrações constantes dos aparelhos 3D, com o objetivo de alavancar as vendas.

Embora a tecnologia atraia a atenção do consumidor, o preço constitui ainda uma barreira para a maior parte da população. As TVs 3D custam US$ 1.200 a mais do que as de tela plana em 2D, quando se leva em conta a média dos diferentes tamanhos de aparelho. Até 2014, entretanto, a iSuppli prevê que a diferença de preço cairá para aproximadamente US$ 325.

Custos adicionais

Entretanto, há consideráveis custos ocultos na migração para a tecnologia 3D. Panasonic, Sony e Samsung cobram cerca de US$ 150 pelo par de óculos 3D. Os óculos de diferentes marcas de TV não são necessariamente compatíveis com os aparelhos das concorrentes. Os consumidores terão de cuidar para evitar a perda dos óculos, em mantê-los sempre limpos e protegê-los. Numa loja da Costco em San Francisco, onde clientes podiam fazer testes com as TV em 3D, as armações dos óculos estavam quebradas - o que evidencia que a durabilidade do produto não é garantida.

Assistir a filmes em 3D exige ainda um aparelho para discos Blu-ray adaptado à tecnologia, ao custo de pelo menos US$ 200 para um modelo básico. Se os fabricantes concordarem em uma tecnologia para os óculos comum a todos eles, o preço tende a cair graças à concorrência.

Barato

A Vizio, uma das maiores fabricantes do segmento, está desenvolvendo uma TV 3D que usa o tipo mais barato de óculos - os mesmos dos cinemas. Embora a tecnologia exija televisores mais caros, os óculos praticamente serão descartáveis, de acordo com Ross Rubin, diretor executivo de análise do setor no NPD Group, empresa de pesquisa. Rubin diz que a chegada das TVs 3D com óculos gratuitos ainda é uma possibilidade distante, embora o desenvolvimento da tecnologia, que funciona bem na tela grande, seja possível.

Tudo o que sabemos sobre:
tv 3dfabricantesvendasestados unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.