Fabricantes divididos em relação aos aparelhos

Os fabricantes de eletroeletrônicos investiram US$ 100 milhões no desenvolvimento da tecnologia da TV digital. Apesar do investimento elevado, apenas dois dos seis fabricantes que integram o Fórum da TV digital, a Semp Toshiba e a Philips, informaram que vão colocar no mercado o conversor até dezembro. Os demais estão divididos entre fabricar a TV com o sintonizador embutido ou, pelo menos por enquanto, ficar fora desse mercado.''''Ainda não sabemos se vamos fabricar o conversor ou a TV digital com sintonizador embutido'''', disse o analista de produtos da Panasonic, Daniel Kawano. Segundo ele, essa decisão deve ser tomada pela empresa depois que a TV digital começar a funcionar em outras capitais.A Sony é outra que está cautelosa. Segundo o gerente-comercial da empresa, Marcus Trugilho, a idéia é fabricar um tipo de receptor, que não é um conversor, e que poderá ser usado só nos televisores fabricados pela companhia, com entrada HDMI. ''''Estamos focando nossos equipamentos.''''A LG acredita que o mercado de conversores é transitório e informa que, a partir de dezembro, terá televisores com sintonizador embutido. Já a Samsung vai lançar dois modelos de TV digital com tela de LCD e sintonizador embutido no mês que vem. Os modelos são de 40 e 52 polegadas. A empresa, por enquanto, não irá fabricar conversor.A Philips vai produzir só o conversor, que começa a ser fabricado em Manaus no fim deste mês. ''''Queremos buscar uma solução eclética para os televisores analógicos'''', disse o diretor de tecnologia da companhia, Walter Duran.A Semp Toshiba vai atuar nos dois mercados . Com os conversores, a intenção é atender cerca de 70 milhões de aparelhos em funcionamento no País que hoje utilizam a transmissão analógica. Segundo o gerente de projetos, Daniele Cardiani, a TV com sintonizador será lançada em janeiro em tela de LCD de 26 e 50 polegadas. O preço ainda não está definido.

O Estadao de S.Paulo

03 de outubro de 2007 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.