Reuters
Reuters

Fabricantes revisam para cima a projeção da produção de aço em 2018

Projeção divulgada pelo Instituto Aço Brasil aponta que produção de aço no País deve subir 8,6% neste ano, ante projeção de 8% feita em novembro passado

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

24 Abril 2018 | 15h39

A produção brasileira de aço bruto deverá subir 8,6% neste ano, para um volume de 37,315 milhões de toneladas, segundo projeção divulgada hoje pelo Instituto Aço Brasil (IABr). A entidade revisou a estimativa anterior, divulgada em novembro do ano passado, que apontava para um aumento de 8% neste ano em relação ao ano passado.

+ Depois de 30 dias, Temer ainda não telefonou para Trump para falar de sobretaxas

O volume estimado para as vendas internas também foi revisado. Agora se prevê que o crescimento será de 6,6% para 18,012 milhões de toneladas, ante uma previsão de 4,1%.

+ EUA devem adotar cota para importação de aço brasileiro sem sobretaxa

O consumo aparente, por sua vez, deverá subir 6,9% neste ano em relação ao ano anterior, para 20,501 milhões de toneladas. A expectativa anterior apontava para um aumento de 4,9%.

Para as exportações de aço, a nova projeção é de uma alta de 10,7%, para um volume de 16,987 milhões de toneladas neste ano. Segundo o IABr, essas previsões dependem, contudo, das negociações que estão em curso com os Estados Unidos, assim como o acordo Mercosul União Europeia.

+ Indústria do aço teme ‘inundação’ de importações

O nível de ocupação da capacidade da indústria do aço no Brasil está hoje em 69%, patamar que pode cair, segundo a entidade, caso as negociações com os EUA não avancem positivamente.

No primeiro trimestre deste ano, as vendas internas chegaram em 4,4 milhões de toneladas de aço, alta de 11,4% na comparação com os três primeiros meses do ano anterior. Já o consumo aparente atingiu 4,9 milhões de toneladas, expansão de 8,3% em relação ao mesmo período do ano passado. A produção brasileira de aço alcançou 8,6 milhões de toneladas, alta de 4,9%.

"Existe uma recuperação, mas ainda está muito aquém do pico de 2013. Esse nível deverá ser observado novamente apenas em 2028", destacou o presidente do Conselho Diretor do IABr, Alexandre Lyra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.