Fábricas ficam menores e mais especializadas

Apesar de assistir à quebra das fábricas que deram à cidade uma vocação para a produção têxtil, o polo de Brusque, em Santa Catarina, não vive uma crise econômica. Ex-funcionários de empresas centenárias, como a falida Tecidos Carlos Renaux, criaram novas indústrias, com máquinas e gestão mais modernas. Santa Catarina é o segundo maior polo têxtil do País, atrás de São Paulo. A cidade de Brusque é a segunda mais relevante no polo têxtil catarinense, depois de Blumenau.

MARINA GAZZONI, Agencia Estado

12 de agosto de 2013 | 08h28

"A crise no polo têxtil de Brusque é exclusiva das fábricas centenárias. Essas empresas trouxeram a vocação têxtil para a cidade, mas o polo não se limitou a elas", disse o prefeito de Brusque, Paulo Eccel (PT-SC). "As novas companhias e os shoppings de atacado e varejo absorveram os trabalhadores demitidos das fábricas antigas. Temos pleno emprego em Brusque", completou.

Os dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção apontam, no entanto, que parte do emprego saiu da indústria: em 2012, a indústria têxtil empregava 202 mil pessoas em Santa Catarina, ante 211 mil em 2011.

"O número de fábricas subiu, mas o emprego caiu porque a indústria ficou mais importadora", disse Marcus Schlösser, presidente do Sindicato das Indústrias de Fiação, Tecelagem, Malharia e Tinturaria de Brusque.

Em 2012, existiam 1.476 indústrias têxteis e de vestuário em Brusque, 100 a mais do que em 2011, segundo dados do sindicato. "Nasceram em Brusque empresas menores, mais enxutas e com a vantagem fiscal do Simples", disse Schlösser.

As novatas do polo têxtil de Brusque não costumam centralizar todo o processo produtivo na mesma fábrica, como faziam as pioneiras na cidade. Elas são mais focadas em serviços especializados, como tinturaria, e confecções (veja abaixo). "Muitas produzem malhas e confecções aqui, mas usam parte dos componentes importados", disse Schlösser.

A importação de insumos se refletiu na balança comercial catarinense. No ano 2000, o Estado representava 25% das exportações de têxteis e confecções, com US$ 301 milhões, e apenas 9% das importações, com US$ 139 milhões. Esse dado se inverteu em 2012: Santa Catarina importou US$ 2,05 bilhões em têxteis, 31% do total no País. Mas exportou apenas US$ 172 milhões, 5% do total nacional. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.