Facebook é autorizado a emitir novas ações para compra do Instagram

Aquisição foi considerada ‘honesta, justa e imparcial’ para os acionistas do Instagram durante uma audiência no Departamento de Corporações do governo da Califórnia 

Priscila Arone,da Agência Estado,

29 de agosto de 2012 | 17h15

NOVA YORK - O Facebook conseguiu aprovação do Estado da Califórnia para emitir novas ações para a compra do Instagram, em função da forte queda no valor dos papéis da rede social desde abril, quando o acordo foi fechado.

A aquisição foi considerada "honesta, justa e imparcial" para os acionistas do Instagram durante uma audiência no Departamento de Corporações do governo da Califórnia, em São Francisco.

O Facebook chegou a um acordo para a compra do Instagram, um aplicativo gratuito de compartilhamento de fotografias, em abril. O acordo foi fechado com o pagamento de US$ 300 milhões em dinheiro e cerca de 23 milhões de ações do Facebook que, naquela época, valiam cerca de US$ 31 cada, o que resultou num preço de compra de US$ 1 bilhão.

A transação atraiu muita atenção em razão de seu tamanho e da falta de receita gerada pelo Instagram, que fora lançado no final de 2010. Atualmente, o Instagram tem 16 funcionários.

Em maio, o Facebook fez sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), cujo valor foi de US$ 38 por ação. Desde então, porém, as ações caíram para abaixo de US$ 20, o que reduziu o preço total pago pelo Instagram para o equivalente a cerca de US$ 750 milhões. Por volta das 16h35 (de Brasília), as ações do Facebook caíam 0,83%, para US$ 19,18 na Nasdaq.

O fundador do Instagram, Kevin Systrom, participou da audiência realizada nesta quarta-feira num pequena sala de conferências no distrito financeiro de São Francisco. Advogados do Facebook e o diretor de desenvolvimento corporativo da empresa, Amin Zoufonoun, estavam reunidos do outro lado da mesa.

Systrom disse saber, na época em que a fusão foi negociada, que as ações do Facebook poderiam perder valor no futuro. "Tenho aprendido durante a minha vida que há altos e baixos em todos os mercados", disse Systrom. "Ainda acreditamos firmemente no valor do Facebook no longo prazo."

Facilidades na Califórnia

A Califórnia é um dos poucos Estados a oferecer às companhias uma alternativa potencialmente mais rápida e barata para negociar com os reguladores federais quando buscam permissão para emitir ações como parte de acordos como a compra do Instagram pelo Facebook. Geralmente, as audiências no Departamento de Corporações não atraem muita atenção, mas o caso do Facebook foi diferente.

Durante a audiência, Zoufonoun reconheceu que a compra do Instagram pelo Facebook aconteceu "muito rápido" e não envolveu aconselhamento financeiro ou bancos de investimento.

Systrom lembrou que "a avaliação de US$ 1 bilhão foi algo gerado pela imprensa", enquanto internamente, no Instagram, "falávamos sobre um porcentual das ações em circulação do Facebook mais uma importância em dinheiro".

O acordo foi coordenado pelo executivo-chefe do Facebook, Mark Zuckerberg, que negociou com Systrom. O Instagram se tornou um aplicativo popular usado no Facebook, site que conquistou 950 milhões de usuários.

Zoufonoun disse que os fatores considerados pelo Facebook na avaliação do Instagram incluíram a trajetória de crescimento e o valor da marca, além do fato de que o serviço "repercute entre os usuários", dentre eles executivos do Facebook. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FacebookINstagramacionistas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.