Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Facebook espera que seu valor alcance US$ 104 bilhões

Cifra apareceu durante as negociações de compra do aplicativo de compartilhamento de fotos Instagram

EVELYN M. RUSLI, THE NEW YORK TIMES , O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2012 | 03h06

O Facebook adquiriu o serviço de compartilhamento de fotografias por US$ 1 bilhão no início do mês, concordando em pagar aproximadamente 30% em dinheiro e 70% em ações, segundo pessoas a par das negociações que não quiseram ser identificadas. Nesse patamar, o Facebook atribui a suas ações o preço de cerca de US$ 30 cada. Com base nesses números, a rede social é avaliada em cerca de US$ 75 bilhões.

Mas, na realidade, poderá valer bem mais. Durante as negociações com o Instagram, as partes elaboraram o acordo em torno de um pressuposto lógico: o Facebook logo poderá ser negociado em bolsa a um valor de mercado muito maior. Segundo as fontes, as companhias discutiram um valor potencial de aproximadamente US$ 104 bilhões. O cofundador do Instagram, Kevin Systrom, foi o primeiro a se referir à cifra.

Em US$ 104 bilhões, o valor está mais ou menos alinhado com o valor pelo qual o Facebook é negociado às vezes no mercado secundário, em que as ações da companhia de capital fechado chegaram a ser vendidas a US$ 40. Embora os executivos do Facebook não tenham promovido o valor mais alto, o número ajudou o pessoal do Instagram a avaliar o negócio.

Quando o Facebook abrir o capital, o presidente e os investidores do Instagram poderão obter um lucro extra sobre as ações da rede social. O inverso ocorrerá se o Facebook não tiver sucesso em sua oferta pública inicial.

Acordos anteriores na no setor de internet poderão dar aos proprietários do Instagram motivos de otimismo. A Amazon, por exemplo, adquiriu o Zappos em 2009, dando aos acionistas da loja online de sapatos 10 milhões de ações, no valor de US$ 807 milhões, mais uma parte em dinheiro e outras ações exclusivas. Esses 10 milhões de ações agora valem US$ 1,9 bilhão.

Expectativa. Embora as conversações não devam estabelecer o preço eventual do Facebook no mercado, talvez a aquisição dê uma ideia de como a direção avalia a rede social antes de sua oferta. A companhia, que atualmente está dando os últimos toques às mudanças do seu prospecto, pretende abrir o capital no mês que vem, disseram as fontes.

O preço da oferta será determinado por vários fatores, como a demanda do mercado e a volatilidade dos mercados acionários.

A demanda por aberturas de capital (IPO, na sigla em inglês) pelos investidores não tem sido muito clara ultimamente. As ações de várias empresas de internet que nos últimos meses abriram seu capital estão sendo negociadas abaixo dos seus preços de oferta. As ações do site de compras coletivas Groupon, que no fim do ano passado foram vendidas a US$ 20, agora alcançam cerca de US$ 12.

As da empresa de jogos online Zynga se mantêm mais ou menos inalteradas. "Achei que eles não iriam realizar esse negócio por causa da avaliação do Facebook nos mercados secundários", disse Lise Buyer, ex-executiva do Google e fundadora da empresa de assessoria Class V Group. "Ainda não ficou claro se existe uma forte correlação entre a política de preços nos mercados secundários e o mercado primário". Com o negócio do Instagram, Mark Zuckerberg, de 27 anos, reconhece o enorme valor que ele criou nesses oito anos, desde a fundação da companhia.

Idealizado por Zuckerberg em seu dormitório em Harvard, em 2004, o Facebook tornou-se a maior rede social do mundo, com mais de 845 milhões de usuários e cerca de 250 milhões de fotografias carregadas diariamente. Em 2011, o Facebook contabilizou um lucro de US$ 1 bilhão, para uma receita de US$ 3,7 bilhões.

A compra do Instagram, que foi definida um "marco histórico" por Zuckerberg, ressalta a importância do celular nas ambições do Facebook. Enquanto a estrela do Instagram subia, Zuckerberg tratou de apressar o negócio.

Em 5 de abril, o Instagram encerrou uma rodada de investimentos que colocou o seu valor em US$ 500 milhões. No dia seguinte, Zuckerberg e Systrom que é também presidente do Instagram, conversaram sobre o esboço de um acordo. Depois de um final de semana de discussões intensas, o acordo foi concluído no domingo. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.