Facebook tem prejuízo no 2º semestre

Perda de US$ 157 milhões veio depois de IPO

SAN FRANCISCO, / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2012 | 03h08

Em sua primeira divulgação de balanço desde a oferta pública de ações (IPO, na sigla em inglês) realizada em maio, o Facebook registrou um prejuízo de US$ 157 milhões no segundo trimestre do ano, revertendo lucro de US$ 240 milhões do mesmo período do ano passado.

A empresa creditou o resultado, que veio em linha com o esperado pelos analistas - excluindo compensações, o lucro ficou em US$ 0,12 por ação -, justamente aos custos relacionados ao IPO. A receita do Facebook subiu 32% entre abril e junho, na comparação com 2011, para US$ 1,18 bilhão.

O número de usuários da rede social subiu para 955 milhões. Em três meses, o Facebook angariou mais de 50 milhões de novos usuários (ao fim de março, a rede social contabilizava 901 milhões de perfis no mundo).

Segundo dados não oficiais, o Brasil é o segundo maior mercado da companhia em número de perfis registrados, com mais de 50 milhões de usuários. Um dos desafios do negócio, tanto no País quanto no exterior, é transformar a popularidade da rede social em faturamento, por meio da venda da publicidade. Como o Facebook é um ponto de encontro virtual entre amigos, especialistas dizem que a interferência da propaganda é muitas vezes rejeitada pelo internauta.

A empresa, fundada por Mark Zuckerberg há oito anos em seu dormitório da Universidade de Harvard, tornou-se a primeira companhia norte-americana a ter a oferta inicial de ações avaliada em mais de US$ 100 bilhões.

Mas a ação do Facebook acumula perdas de quase 30% em relação ao preço ao IPO, de US$ 38, em meio a preocupações de investidores com a capacidade da empresa aumentar sua receita com anúncios e ampliar sua presença em telefones celulares para garantir sua sobrevivência no longo prazo.

Ontem, após a divulgação dos resultados do segundo trimestre, as ações do Facebook recuavam mais de 10% no "after hours" (negociações que ocorrem após o fechamento oficial do mercado financeiro). Durante o "tempo regulamentar" da Nasdaq - pregão de ações de tecnologia da Bolsa de Nova York -, o papel já havia perdido 8,5%, encerrando a US$ 26,84, influenciado pelo pessimismo em relação aos números que estavam para ser divulgados.

Jogos. Um fator adicional de preocupação são os desapontadores resultados da Zynga, empresa responsável pela criação de jogos que ganharam fama dentro do Facebook, como FarmVille e CityVille.

Depois de anunciar uma queda de 40% em seus ganhos na quarta-feira, após o fechamento do mercado americano, as ações da Zynga tiveram uma desvalorização de 37,5% ontem, fechando a US$ 3,18 (na véspera, os papéis haviam encerrado a US$ 5,08).

Isso afeta o Facebook, já que cerca de 12% da receita da empresa depende da Zynga. E a companhia de jogos culpou justamente a rede social por seus resultados abaixo do esperado. "Nós percebemos redução da permanência do usuário em nossos jogos em parte por causa das mudanças promovidas na plataforma do Facebook", afirmou Marcus Pincus, presidente e fundador da Zynga, em teleconferência com analistas.

A empresa está vendo sua receita cair porque as pessoas estão gastando menos tempo jogando seus games. Isso levou a Zynga a um prejuízo trimestral de US$ 22,8 milhões. A companhia faturou US$ 332 milhões no período.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.