Charles Platiau/Reuters
Charles Platiau/Reuters

Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Facebook vê volta de anúncios online em meio à pandemia de coronavírus

Depois de informar queda de publicidade por causa do coronavírus, gigante aponta sinais de ‘estabilidade'; analistas já apostam que crise do coronavírus será mais branda para rede social

The New York Times, O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2020 | 05h00

A divulgação dos resultados do Facebook trouxe uma boa notícia para o mercado de publicidade digital. A gigante online, que depende fortemente da venda de anúncios em sua plataforma, afirmou que registrou dificuldades na área por causa da pandemia de coronavírus, mas que mais recentemente percebeu uma estabilização da demanda. A empresa indicou que o tombo por causa da pandemia poderá não ser tão forte quanto inicialmente havia previsto.

Segundo a companhia, após uma forte queda em março, o resultado foi diferente em abril. O resultado do mês passado, quando comparado com o registrado no mesmo período do ano passado, foi quase estável. 

Essa informação, aliada a resultados relativamente robustos da Microsoft e da Alphabet, companhia que controla o Google, mostrou que as dores relativas à pandemia podem não ser tão agudas para a indústria de tecnologia quanto para outros segmentos da economia. 

Conexão

O fundador e presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, disse que o serviço de ligações por voz e vídeo da companhia mais do que dobrou nas últimas seis semanas. Segundo a companhia, engenheiros têm trabalhado constantemente para garantir que não haja falhas nessas ferramentas.

Mais de 3 bilhões de pessoas usam a plataforma do Facebook mensalmente – no mesmo período do ano passado, eram 2,7 bilhões. A permanência dos usuários na rede social teve forte alta, na mesma comparação, ainda que essa disparada deva se suavizar à medida que medidas de isolamento se tornem mais brandas ao redor do mundo. 

“Assim como o Google, o Facebook tem a chance de sair da pandemia de coronavírus ainda mais forte”, diz Martin Garner, analista da área de internet da CCS Insight, uma companhia de marketing digital. 

Os números do primeiro trimestre servem de indicativo da força da companhia. O Facebook viu sua receita subir 18% entre janeiro e março, sobre o ano passado, para US$ 17,7 bilhões. O lucro mais do que dobrou, atingindo US$ 4,9 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.