Fala de Bernanke puxa altas em bolsas da Ásia

O presidente do Fed admitiu a urgência de política monetária altamente acomodatícia para os EUA

11 de julho de 2013 | 09h11

Os mercados de ações asiáticos fecharam em alta nesta quinta-feira, 11, após comentários do presidente do Federal Reserve Bank, Ben Bernanke, na quarta-feira. Falando em uma conferência do Bureau Nacional de Pesquisa Econômica, Bernanke disse que uma política monetária altamente acomodatícia para o futuro próximo é algo necessário para a economia dos EUA.

O presidente do Fed falou algumas horas após a divulgação da ata da reunião de junho do Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês). Segundo o documento, metade das autoridades presentes acreditava que o programa de compra de títulos do Fed deveria ser retirado até o final do ano.

Os mercados em todo o mundo têm buscado sinais sobre o rumo da política monetária dos EUA nas últimas semanas. Na Ásia, as expectativas crescentes sobre a redução dos estímulos resultaram em fluxos de saída significativos da região, especialmente dos mercados do Sudeste Asiático. 

Influenciados pelos comentários de Bernanke, o índice S&P/ASX 200, da Austrália, fechou em alta de 1,3%, aos 4.965,70 pontos, e o índice Kospi, da Bolsa de Seul, subiu 2,9%, para 1.877,60 pontos. Em Taipé, o índice Taiwan Weighted avançou 2,1%, para 8179,54 pontos, e o índice PSEi ganhou 1,6%, aos 6407,36 pontos, nas Filipinas.  

Na China, o índice Xangai Composto subiu 3,2%, para 2.072,99 pontos, com expectativas de que Pequim pode introduzir algumas medidas de apoio para estabilizar o crescimento do país.

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, disse na quarta-feira que a China precisa garantir que o crescimento econômico não caia abaixo de um limite inferior e que a inflação não ultrapasse um limite superior, embora ele não tenha definido os limites.

Os ganhos acentuados na China tiveram um efeito sobre Hong Kong, onde o índice Hang Seng subiu 2,6%, para 21.437,49 pontos. O índice Shenzhen Composto ganhou 2,9% e fechou aos 945,25 pontos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.