Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Fala de Guedes revela que disputa sobre gastos da crise com Congresso atrasa medidas

Enquanto isso, os brasileiros atingidos pela crise ficam esperando e se perguntam: cadê as medidas?

Adriana Fernandes, O Estado de S. Paulo

31 de março de 2020 | 19h33

Na primeira entrevista depois de voltar de isolamento no Rio de Janeiro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, frustrou a expectativa de anúncio de novas medidas de auxílio aos trabalhadores formais e operacionalização do auxílio emergencial aos informais de R$ 600 para o enfrentamento da crise da pandemia da covid-19.

Pressionado pela queda-de-braço com o Congresso, que vem se antecipando ao governo na adoção de medidas, Guedes preferiu jogar a bola para os parlamentares em entrevista ao lado dos colegas Luiz Henrique Mandetta (Saúde) e Sergio Moro (Justiça).

O ministro da Economia sugeriu que ainda precisa da aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do “orçamento de guerra” para a expansão dos gastos. Isso apesar do Supremo Tribunal Federal (STF) ter aberto o caminho para a expansão dos gastos com a flexibilização da aplicação de leis orçamentárias e fiscais. 

O ministro disse que, do lado técnico, está tudo pronto, mas ainda depende de trâmite jurídico-legislativo. Com a decisão do STF, havia a expectativa de um anúncio hoje, o que não ocorreu na entrevista.

Guedes voltou a falar de fontes orçamentárias para a implementação das medidas, mas o problema por trás do atraso é quem manda mais na PEC do "orçamento de guerra". O texto final da PEC dá poder ao Congresso para sustar as medidas do comitê de crise que será criado para a gestão do orçamento das despesas voltadas para a crise.  

Enquanto isso, os brasileiros atingidos pela crise ficam esperando e se perguntam: cadê as medidas?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.