Divulgação
Divulgação

Falar grosso pode garantir sucesso na carreira, aponta pesquisa

Estudo feito com 800 líderes de empresas nos Estados Unidos constata vantagem dos timbres mais graves

Felipe Cordeiro, especial para o Estadão,

06 de junho de 2013 | 11h31

SÃO PAULO - O timbre da voz pode influenciar no sucesso profissional, segundo um estudo da Escola de Negócios da Universidade Duke e da Universidade da Califórnia em San Diego.

Após analisar o tom de voz de 800 líderes de empresas em discursos públicos nos Estados Unidos, pesquisadores concluíram que aqueles que falam com voz mais grossa são mais bem sucedidos na carreira do que os que falam em tom mais agudo.

"O mercado de trabalho parece associar indivíduos que têm voz grossa com as grandes empresas", declarou à CNN o professor William Mayer, da Universidade Duke, um dos coordenadores do estudo.

O professor advertiu que ainda falta descobrir o motivo da vantagem dos que falam grosso. "O que não sabemos ainda é de onde vem essa vantagem", disse. "Será que você é capaz de solucionar problemas de forma mais rápida em uma grande corporação se você é mais autoritário ou dispõe de uma voz dominante?", questionou ele.

Segundo o estudo, o tom de voz pode estar relacionado a outras características que sugerem liderança, como altura, porte físico e estrutura facial.

Os grandalhões em geral falam mais grosso, e por isso o coordenador da pesquisa diz que ainda é cedo para afirmar que profissionais com voz fina estejam em desvantagem no mercado de trabalho.

"Não significa que homens de voz aguda não tenham condições de subir na vida e ocupar cargos de liderança", afirmou. Ele também não recomenda tentativas de forçar as cordas vocais para tentar falar mais grosso em público. "Há características que nascem conosco", comenta o professor.

Apesar de reconhecer que os executivos podem melhorar a forma como falam por meio de treinamento, Mayer duvida da eficiência de um discurso que não soe natural ou do uso de roupas que compensem as desvantagens físicas. Além disso, ele destaca que a competência vem em primeiro lugar em qualquer profissão.

Tudo o que sabemos sobre:
voggravegrossacarreirapesquisaduke

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.