Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

-15%

E-Investidor: como a queda do PIB afeta o mercado financeiro

Falas de ministros e vice-presidente sobre liberação de recursos incomodam área econômica

Cenário ainda é de incertezas em relação às receitas que de fato ingressarão nos cofres da União para permitir as liberações

Idiana Tomazelli e Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2019 | 21h32

BRASÍLIA - A poucos dias do anúncio oficial da liberação de recursos no Orçamento, a área econômica do governo está incomodada com a postura de ministros e até do vice-presidente, Hamilton Mourão, de antecipar valores e até se comprometer com novos desbloqueios nos próximos meses. A avaliação é de que o cenário ainda é de incertezas em relação às receitas que de fato ingressarão nos cofres da União para permitir as liberações, o que requer cautela para evitar uma frustração nos órgãos que já estão estrangulados.

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse ao Estadão/Broadcast na sexta-feira que haverá uma liberação de R$ 14 bilhões neste mês e que outros R$ 6 bilhões devem ser desbloqueados em outubro. Na próxima sexta-feira (20), a equipe econômica divulgará o relatório bimestral do orçamento, publicação periódica em que o governo anuncia se haverá bloqueio de recursos para cumprir a meta fiscal (que neste ano permite rombo de R$ 139 bilhões) ou se é possível liberar dinheiro para mais gastos. Em outubro, porém, não há nenhuma divulgação prevista – um desbloqueio será feito apenas se a equipe econômica fizer um relatório “extemporâneo”, ou seja, fora do calendário normal, que prevê outra avaliação só em novembro.

Com essa declaração, o ministro indica antecipadamente a possibilidade de se fazer uma liberação extemporânea de recursos em outubro. O vice-presidente Mourão também já declarou publicamente que o governo deve liberar até o fim do ano R$ 20 bilhões dos R$ 34 bilhões que estão bloqueados atualmente.

A preocupação na área econômica é que isso seja visto como um compromisso do governo, quando na verdade o ingresso de algumas receitas ainda é incerto. Por exemplo, o pagamento de dividendos pelos bancos oficiais. O presidente do Conselho de Administração do BNDES, Carlos Thadeu de Freitas, avisou na semana passada em entrevista ao Estadão/Broadcast que o banco está lento para devolver a antecipação de dividendos que foi cobrada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, para ajudar nas contas desse ano.

Segundo Freitas, a diretoria está demorando por conta da venda das ações da Petrobras. Se a operação não for concluída até meados de outubro, ficará difícil repassar o total de dividendos que a equipe econômica espera do BNDES, pois parte do resultado acabará ficando para 2020. Por outro lado, o aumento recente dos preços do petróleo e a consequente valorização das ações da companhia pode facilitar a venda e até ampliar o retorno da operação. Tudo vai depender da agilidade da venda das ações.

Educação

Onyx e Mourão não são os únicos que saltaram na frente da equipe econômica para anunciar liberação de recursos. Na semana passada, o ministro da Educação, Abraham Weintraub – que tem participado de reuniões decisivas da Junta de Execução Orçamentária, embora não seja integrante do colegiado – anunciou a liberação de 3.182 novas bolsas da Capes para estudantes de pós-graduação, a um custo de R$ 22,5 milhões neste ano.

A reportagem procurou o MEC para questionar de onde sairia o dinheiro para as novas bolsas. Por telefone, a assessoria da pasta informou que os recursos seriam remanejados pelo Ministério da Economia. “Eles que vão dizer de onde vai sair. O combinado com o MEC é que os recursos seriam liberados”, informou a assessoria em conversa por telefone. O MEC não atendeu ao pedido da reportagem de formalizar a resposta por e-mail.

Procurado, o Ministério da Economia disse que só se pronunciará no dia da divulgação do Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas, na próxima sexta. A Casa Civil não se pronunciou até a publicação sobre o incômodo da área econômica em relação às falas de Onyx sobre liberação.

Segundo fontes da área econômica, quem decidirá quanto cada ministério receberá dos recursos a serem liberados é a JEO, que não se reuniu na semana passada, quando houve a série de anúncios.

A reportagem apurou que o TCU vai analisar “com lupa” os números que serão divulgados na semana que vem pela equipe econômica. Além da forte dependência de receitas extraordinária (como os bônus dos leilões), o que é criticado pelo órgão, os técnicos vão analisar cuidadosamente as previsões que balizarão o desbloqueio de recursos para verificar se elas estão condizentes com a situação do País. As declarações dos ministros também têm sido vistas como “imprudentes” diante do cenário fiscal delicado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.