Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Falha em linha de transmissão desliga sete turbinas na usina Belo Monte; Aneel pede explicações

O incidente interrompeu o funcionamento das turbinas da usina Belo Monte por meia hora e, segundo relatos nas redes sociais, deixou alguns municípios sem energia elétrica

Denise Luna e Marlla Sabino, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2021 | 18h12

RIO E BRASÍLIA - Em um momento em que o sistema elétrico brasileiro se encontra pressionado pela maior seca dos últimos 90 anos, uma falha na linha de transmissão de uma das maiores usinas hidrelétricas brasileiras, Belo Monte, no rio Xingu, Pará, Norte do País, provocou o desligamento de sete turbinas da usina operada da Norte Energia.

O acidente tirou 4 mil megawatts do Sistema Interligado Nacional (SIN) no final da manhã desta sexta-feira, das 11h às 11h30, deixando alguns municípios temporariamente sem energia elétrica. As regiões mais afetadas foram o Norte, o Nordeste e o Centro-Oeste.  Os Estados de Sergipe, Amapá e Mato Grosso do Sul foram os que mais demoraram a restabelecer o abastecimento.

A falha ocorreu cerca de seis meses depois do apagão do Amapá, em novembro do ano passado, e também em um momento crítico para o setor elétrico. Por causa da seca, os reservatórios das hidrelétricas do subsistema Sudeste/Centro-Oeste, responsáveis por 70% da geração hídrica do País, estão em declínio, o que pode afetar o abastecimento se grandes cargas forem retiradas do sistema.

As causas e as consequências do acidente em Belo Monte ainda não foram divulgadas. De acordo com o  presidente da Norte Energia, Paulo Roberto Pinto, após o acidente na linha de transmissão, o sistema de proteção da usina hidrelétrica desligou as turbinas automaticamente. "Deixamos de injetar 4 mil megawatts no sistema por meia hora, mas foi restabelecido em seguida", disse Pinto ao Estadão/Broadcast

Segundo o Operador Nacional do Sistema (ONS) ocorreram dois desligamentos na linha de transmissão bipolo Xingu/Estreito, que escoa a energia da usina hidrelétrica Belo Monte, no Pará. Segundo o operador, às 11h06 houve o primeiro desligamento, do Polo 1, e às 11h26, do Polo 2 do mesmo sistema.

"Com o objetivo de evitar sobrecarga no Elo CC 800 kV Xingu/Terminal Rio, um Sistema Especial de Proteção (SEP) atuou, comandando o desligamento de sete unidades geradoras da usina hidrelétrica de Belo Monte, com interrupção de aproximadamente 4.050 MW de geração", afirmou o ONS em nota.

Ao identificar uma variação de frequência no sistema, o Esquema Regional de Alívio de Carga (ERAC) do ONS cortou 3.400 MW de carga, atingindo várias localidades, para evitar maiores reflexos no Sistema Interligado Nacional (SIN). As regiões afetadas não foram informadas.

Ainda de acordo com o operador, às 11h31min foi liberada a retomada de todas as cargas cortadas e às 11h45, todas as cargas do SIN já estavam regularizadas. "O ONS reitera que, assim que identificou o problema, atuou prontamente para restabelecer o mais rápido possível o fornecimento de energia. O ONS avaliará as causas da ocorrência junto aos agentes envolvidos e, posteriormente, fará um Relatório de Análise da Perturbação (RAP)", conclui a nota.

Aneel pede explicações

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) pediu explicações à Belo Monte Transmissora de Energia sobre a ocorrência nesta sexta-feira.  

Segundo a área de fiscalização da agência, uma primeira ocorrência, às 11h06, na linha de transmissão de alta tensão entre Pará e Minas Gerais, que escoa energia de Belo Monte, teria causado sobrecarga em outros polos do sistema de transmissão associado à usina, "sem maiores consequências para o Sistema Interligado".

A agência informou ainda que, na sequência, às 11h26, houve um segundo desligamento na linha, e o desligamento de sete unidades geradoras da usina Belo Monte, o que causou o corte de carga. A Aneel não informou quais localidades do País tiveram o fornecimento de energia elétrica comprometido.

No ofício, a agência reguladora estabeleceu prazo de um dia, a partir do recebimento do documento, para a concessionária apresentar esclarecimentos sobre a ocorrência. A empresa também terá que informar as medidas adotadas para solucionar o problema e evitar a reincidência dos acontecimentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.