Falha na usina de Itumbiara provocou apagão em 12 Estados

De acordo com informações do Operador Nacional do Sistema, o blecaute atingiu 12 Estados das regiões Sudeste, Sul, Centro-Oeste e Norte

Anne Warth e Sergio Torres, da Agência Estado,

17 Dezembro 2012 | 09h00

Texto atualizado às 16h15

BRASÍLIA - O apagão que atingiu 12 Estados das regiões Sudeste, Sul, Centro-Oeste e Norte na noite do último sábado foi causado pelo desligamento de unidades geradoras de energia na usina hidrelétrica de Itumbiara, de Eletrobrás Furnas, localizada no rio Paranaíba, entre Goiás e Minas Gerais. 

A usina de Itumbiara tem potência total de 2.280 MW (seis unidades de 380 MW). Como as unidades estavam, no momento do apagão, gerando abaixo da potência nominal, a perda total de geração foi de 1.180 MW, segundo o Operador Nacional do Sistema (ONS).

"O processo de recomposição do sistema foi iniciado logo em seguida. Cerca de 30 minutos após a ocorrência, cerca de 50% das cargas do sistema Sudeste/Centro-Oeste e todas as cargas da região Sul já estavam restabelecidas. Cerca de uma hora após a ocorrência, 90% das cargas da região Sudeste/Centro-Oeste já tinham seu suprimento normalizado", informou a nota do ONS.

De acordo com o Operador Nacional, "as causas do evento estão sendo investigadas". "Hoje, o ONS coordenará uma reunião eminentemente técnica, com a participação dos agentes envolvidos, para analisar e identificar a origem e as causas da perturbação", diz a nota.

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, enviou ontem uma equipe técnica à usina para verificar as causas do incidente e convocou uma reunião extraordinária do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico, em Brasília, da qual participaram o secretário-executivo do Ministério,

Márcio Zimmermann, o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Nelson Hubner, o diretor-geral do ONS, Hermes Chipp, e o presidente de Furnas, Flávio Decat. 

Mais conteúdo sobre:
apagãoonssábado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.