coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Falta de consenso faz UE adiar anúncio de medidas

A UE deve anunciar na próxima segunda-feira, em Bruxelas, as medidas de salvaguarda que vai impor às importações mundiais dos produtos siderúrgicos. As medidas devem aplicar uma tarifa única extra-cota que não ultrapassará 30% e atingirão menos do que 50% das importações européias.Estas são as únicas informações oficiais divulgadas na tarde desta sexta-feira por Anthony Gooch, porta-voz do comissário europeu de comércio, Pascal Lamy, que também adiantou que os países que exportam menos do que 3% de produtos siderúrgicos à UE não serão afetados.A Comissão está ameaçando o anúncio das medidas desde quinta-feira, mas fontes diplomáticas afirmam que falta consenso entre os países membros quanto as categorias de produtos que devem ser atingidas pelas medidas e até mesmo as quantidades.A UE está calculando para cada categoria de produtos siderúrgicos uma média mundial do que entra no mercado europeu, baseada em números dos últimos três anos. Ao conhecer o valor deste volume, a UE estará pronta para estabelecer a tarifa que vai impor a cada categoria.Para o Brasil, que exportou à UE 15,9% de produtos siderúrgicos em 2001, um negócio de US$ 363 milhões, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Siderurgia (IBS), o anúncio das medidas de salvaguarda é especialmente importante.Caso os semi-acabados fiquem fora da lista das medidas a serem anunicadas, "será um alívio para o setor", segundo expectativas de fontes diplomáticas brasileiras.Os semi-acabados representaram em 2001, também de acordo com dados do IBS, um pouco mais do que a metade (56,20%) das exportações brasileiras aos países da União Européia.Paralelamente ao anúncio das medidas de salvaguarda, os europeus negociam com os norte-americanos na Organização Mundial do Comércio (OMC). A UE alega que arcará com o prejuízo de 2,5 bilhões de euros com as medidas de salvaguarda impostas pelos Estados Unidos, no último dia 5 de março, aumentando tarifas de 8 a 30% ao aço importado de outros países.Os europeus pedem compensações para suas exportações em outros setores, correspondentes a 2,5 bilhões de euros, valor do prejuízo alegado. Eles têm até o dia 7 de abril para fechar esta negociação.Caso os europeus tenham uma resposta negativa sobre as medidas de compensação, já anunciaram que vão aplicar imediatamente sanções aos produtos norte-americanos exportados à UE.Gooch garantiu que esta lista está pronta e foi enviada aos países membros nesta sexta-feira para avaliação. As sanções poderão incluir os setores do aço, têxtil e cítricos e deve ser enviada à OMC até o dia 18 de junho."Mas, esta será uma decisão política", disse Gooch. Quer dizer, caberá a cada país ratificar ou não a proposta da Comissão de não receber mais, por exemplo, "sucos de laranja Tropicana", um produto que estaria na lista das sanções européias, segundo divulgou a matéria do Wall Street Journal desta sexta-feira.

Agencia Estado,

22 de março de 2002 | 16h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.