Falta de crédito pode frustrar plano de safra

CNA já vê risco de queda de, no mínimo, 5% nos volumes em relação ao que projetado

AE, Agencia Estado

20 de outubro de 2008 | 09h01

A escassez de crédito deve frustrar as expectativas do governo de bater mais um recorde de produção de alimentos no ano que vem. A safra 2008/2009 de arroz, feijão, soja, milho, algodão e outros grãos, que começa a ser plantada no Centro-Sul do País, está projetada em 144,55 milhões de toneladas, segundo estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) feita no início deste mês.Nas últimas semanas, com o freio nos financiamentos para a compra de insumos essenciais para o plantio, como fertilizantes e defensivos, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) já vê risco de queda de, no mínimo, 5% nos volumes em relação ao que projetado. Isso significa 7,2 milhões de toneladas de grãos a menos na oferta doméstica e nas exportações e um recuo de 4,5% em relação à safra 2007/2008, que atingiu o recorde de 143,8 milhões de toneladas. Se a safra 2008/2009 for menor que a anterior, será a primeira queda em volume em três anos."A estimativa de redução é conservadora", diz o presidente da Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da CNA, José Mario Schreiner. Ele observa que, se a falta de crédito persistir nos próximos 30 dias, período crucial para o plantio da safra de verão, o risco de afetar a produção cresce. Como a agricultura é uma atividade sazonal, os insumos têm época certa para serem aplicados na lavoura. Não adianta o dinheiro chegar para a compra do adubo ou do defensivo quando passou essa fase. O reflexo da falta de crédito é a queda na produtividade, pois já há agricultores dispostos a plantar sem adubo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
agriculturasafracrédito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.