seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Falta de rotas alternativas agrava desabastecimento

O desabastecimento do Nordeste é reflexo da falta de rotas alternativas para escoar a safra agrícola brasileira. Sem ferrovias e hidrovias suficientes e baixa oferta de cabotagem (transporte interno de navio pela costa brasileira), a única alternativa é transportar os grãos por caminhão, em rodovias precárias, afirma o coordenador do Movimento Pró-Logística de Mato Grosso, Edeon Vaz Ferreira.

O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2013 | 02h09

"No momento em que tivermos mais hidrovias, a BR-163 concluída ou uma nova regulamentação para a cabotagem, o caminho para o Nordeste ficará menos restrito", avalia o especialista. Ele acredita que o plano do governo de levar o milho do segundo leilão (103 mil toneladas) por navio para o Nordeste pode ser comprometido pela falta de oferta e elevado custo.

Pela regra atual, diz Ferreira, o custo de uma carga do Rio Grande do Sul até o Nordeste feito por cabotagem é o mesmo de uma viagem de Santos à China.

A solução apresentada pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) ao Ministério da Agricultura é a construção de dois grandes armazéns na região, com capacidade para 100 mil toneladas cada.

O presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho), Alysson Paolinelli, aposta nas hidrovias para reduzir os estragos que a infraestrutura provoca no agronegócio. "Com a construção de duas eclusas, a hidrovia Araguaia-Tocantins ajudaria bastante." / R.P.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.