Falta de trilhos pode parar, de novo, trabalho da Valec

Estatal faz, no mês que vem, a terceira tentativa de comprar material, que do antigo fornecedor era de baixa qualidade

LU AIKO OTTA / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2013 | 02h10

Notória por causa das obras paradas da Ferrovia Norte-Sul, a estatal Valec conseguiu sair do atoleiro e vem, desde abril passado, superando as próprias previsões. Essa virada cai como uma luva na mais recente ordem da presidente Dilma Rousseff, que deseja acelerar obras.

Porém, o ritmo de execução dos investimentos pode sofrer um novo revés se a estatal não conseguir comprar trilhos. E essa tarefa tem se mostrado complicada.

No ano da faxina na pasta, em 2011, foi encerrado um contrato de fornecimento com a chinesa Dismaff pela má qualidade do material e de irregularidades. Livre da Dismaff, a Valec fez outra licitação. Apenas um único concorrente apareceu, a trading PNG, pertencente aos filhos do dono da Dismaff. O contrato foi questionado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e revogado em março.

Nessa terceira tentativa, marcada para o mês que vem, a Valec tentou garantir que aparecessem outros concorrentes. Para isso, a compra foi fracionada em lotes de 30 mil toneladas. Se falhar, as obras vão desacelerar de novo.

Relatório da Valec mostra que, de janeiro até o final deste mês, a estatal conseguirá fazer R$ 1,268 bilhão em investimentos, volume 1,2% acima do previsto para o período, que no entanto representa um salto de 217% ante igual período de 2012.

Na Bahia, a "virada" é puxada principalmente pelas obras da Ferrovia Oeste-Leste (Fiol), uma obra que cortará a Bahia desde o porto de Ilhéus até Barreiras, já próxima à divisa com o Tocantins e na região produtora de grãos. Há planos para ela se conectar, no futuro, com a Ferrovia Norte-Sul.

De janeiro a agosto, a execução da Fiol alcançou R$ 556 milhões, 341% a mais do que no ano passado. É 21,4% acima do projetado para o período.

O que explica a mudança no desempenho da Valec é a superação, após dois anos, de problemas detectados na "faxina" da área de transportes do governo. Na Norte-Sul, por exemplo, só recentemente a estatal conseguiu fechar novos contratos com empreiteiras para complementar as obras no trecho entre Palmas (TO) e Anápolis (GO), que ficou famoso por estar parado há anos e com os trilhos se soltando em alguns pontos.

A construção havia sido contratada com base num projeto mal feito, que não previa pátios para os trens. Além disso, não tinha estudado a composição do terreno ao longo da linha. "Contratamos quatro empresas que estão plantando grama, soldando trilhos e construindo pátios", disse o presidente da Valec, Josias Cavalcante. "A previsão é que no início de 2014 ela estará operacional."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.