finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Falta mão de obra qualificada nas indústrias, diz CNI

A falta de trabalhadores qualificados é problema para 65% das indústrias brasileiras, segundo pesquisa divulgada nesta segunda-feira, 28, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), que leva em conta os segmentos extrativo e de transformação. A busca pela eficiência ou redução de desperdícios é um dos principais problemas decorrentes da falta de empregados qualificados, de acordo com 74% das empresas. Quase metade (49%) das empresas que têm dificuldade para qualificar os funcionários aponta a baixa qualidade da educação básica como o maior percalço.

LAÍS ALEGRETTI, Agencia Estado

28 de outubro de 2013 | 15h01

A pesquisa revela que a dificuldade de encontrar mão de obra qualificada leva as empresas a intensificarem a capacitação do trabalhador no próprio ambiente de trabalho. Segundo o levantamento, 81% das indústrias que veem dificuldades com a mão de obra usam essa estratégia.

A CNI avalia que o ambiente de negócios para a indústria "pouco se alterou" entre 2011 e 2013. As consequências, segundo a Confederação, são o aprofundamento das dificuldades para a produtividade e a perda de competitividade da indústria brasileira no mercado global.

O problema de falta de mão de obra só diminuiu entre as empresas de pequeno porte, segundo a pesquisa. De 2011 para 2013, passou de 68% para 61% o porcentual de indústrias pequenas que declararam ter essa dificuldade. Uma das razões, segundo a CNI, é a redução mais acentuada da atividade dessas empresas e consequente redução da demanda por trabalhador. Nas empresas de médio porte, o porcentual se manteve em 66%. Nas grandes, aumentou de 66% para 68%. A pesquisa foi feita com 1.761 indústrias extrativas e de transformação entre 1º e 11 de abril deste ano.

Tudo o que sabemos sobre:
CNIsondagem especial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.