Falta uma política de comércio exterior no Brasil

Com um comércio internacional reduzido, em parte por falta de uma política para essa área, o Brasil tem um superávit na balança comercial muito concentrado e que vem se reduzindo nos últimos anos.

O Estado de S.Paulo

28 de dezembro de 2012 | 02h05

De fato, o superávit da balança comercial, que chegou a US$ 25,99 bilhões nos 11 primeiros meses de 2011, caiu neste ano para US$ 17,1 bilhões, uma redução de 33,9%, com as exportações acusando queda de 4,7% e as importações, de apenas 1,1%.

O que importa são o número reduzido de países com os quais temos superávit e, mais ainda, a tendência que se verifica de redução do superávit. No ano passado, o maior superávit foi com a América Latina e o Caribe, de US$ 17,2 bilhões, que caiu neste ano para US$ 11,3 bilhões, um recuo de 35,4%. No Mercosul, que deveria ser a área de maior vigor do nosso comércio, houve queda de 55,9% do superávit, e a maior responsável é a Argentina, onde a queda do superávit brasileiro foi de 66,6%.

É bem conhecida a política protecionista argentina, que nosso governo aceita pacificamente, desconsiderando a redução de 21,2% de nossas exportações para este país. Enquanto a Argentina conta com mais de 50% das nossas exportações para os países do Mercosul, o México tem uma participação insignificante nas exportações do Brasil, embora o crescimento do seu PIB seja muito superior ao do nosso.

A participação dos países asiáticos no nosso comércio externo é importante, apesar do nosso superávit com eles ter caído 17,2%, por causa da queda do superávit com a China, em grande parte em razão do preço do minério que se reduziu em 36,6%.

Infelizmente, exportamos para este país apenas commodities, enquanto importamos da China produtos manufaturados.

Não há dúvida de que, atualmente, nossos mais dinâmicos parceiros são países subdesenvolvidos e emergentes. O que nos falta é poder oferecer-lhes produtos manufaturados mais sofisticados e de maior densidade tecnológica. Naturalmente, não podemos condenar o protecionismo quando estamos exportando e praticá-lo quando importamos. Uma maior abertura de nossa economia seguramente permitiria um aumento de nossa exportações.

Enquanto nosso superávit comercial com a União Europeia caiu, neste ano, 20,3%, em razão da retração econômica, com os Estados Unidos continuamos a ter déficit, embora se reduzindo de 57,1%. É de esperar que voltaremos a ter um superávit com este país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.