''Faltam estímulos para as empresas contratarem jovens''

José Pastore Professor de relações do trabalho da FEA-USP

Entrevista com

Marcelo Rehder, O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2010 | 00h00

O professor de relações do trabalho da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo, José Pastore, defende a adoção de medidas para estimular as empresas a contratar jovens sem experiência. Para ele, a legislação poderia prever a admissão de jovens recém formados com menos despesas de contratação.

A situação do jovem no mercado de trabalho melhorou?

Com a expansão da economia e da oferta de empregos, as barreiras diminuíram um pouco, mas o jovem ainda encontra muita dificuldade para entrar no mercado. Tanto que o desemprego nessa faixa etária é mais que o dobro do desemprego comum. O jovem tem dificuldades 100% maiores que um adulto para entrar no mercado. Ele tem educação acima da média da força de trabalho, mais familiaridade com informática, mas continua tendo problemas para obter emprego.

O problema é a resistência das empresas à falta de experiência?

É uma alegação até justificável. Porém, se o jovem não for contratado, ele nunca terá experiência. E há um agravante. Para a empresa, as despesas para contratar um jovem inexperiente são as mesmas que se aplicam à contratação de um profissional experiente. E o piso da categoria também é o mesmo. Então, enquanto houver boa oferta de profissionais experientes, as empresas não têm estímulos para contratar jovens inexperientes.

Como sair dessa armadilha?

O Brasil devia adotar uma política que muitos países já adotam que é o contrato de formação. É uma espécie de contrato de aprendizagem para quem acaba de se formar e nunca trabalhou. A legislação brasileira poderia prever a admissão desses jovens com menos despesas de contratação, por um período de 12 ou 18 meses. Se tais despesas caíssem, digamos, de 102% para 60% ou 65%, as empresas seriam estimuladas a contratar jovens, mesmo sabendo que eles não têm experiência.

Seria bom para a empresa?

Seria uma oportunidade para ela observar cuidadosamente o desempenho desses jovens antes de contratar os mais brilhantes de forma definitiva, depois de expirado o contrato de formação. Para o jovem, seria uma oportunidade preciosa. Imagina um engenheiro que sai da Politécnica e vai trabalhar por 12 meses numa Petrobrás, numa Vale ou numa Votorantim? Ele teria uma verdadeira escola para aprender o que não aprendeu na faculdade e uma valiosa fonte de referência para futuros empregos. Seria bom também para as finanças públicas, porque a empresa vai registrar esse jovem em carteira. Não se trata de estagiário, e sim de um empregado celetista normal, com as proteções da legislação trabalhista e previdenciária, e recolhendo contribuições.

Não se pensa em adotar isso aqui?

Eu tenho sugerido a adoção desse tipo legislação já faz muito tempo, mas até agora ninguém se sensibilizou. Não sou político, mas considero uma boa sugestão para os candidatos neste ano eleitoral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.