Danny Moloshok/Invision/AP
Danny Moloshok/Invision/AP

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

Família de Michael Jackson cancela musical

Produção negou que cancelamento tenha relação com filme da HBO que relatará casos de abuso do cantor

The New York Times, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2019 | 05h00

Sob pressão por causa de um novo documentário detalhando alegações de abuso infantil por parte de Michael Jackson, a ser exibido pela HBO em março, o espólio do cantor anunciou na semana passada a decisão de cancelar as apresentações de um musical inspirado em sua obra. A produção iniciaria uma turnê em Chicago, com o objetivo de chegar à Broadway.

A família do cantor e a produtora responsável pela atração, a Columbia Live Stage, disseram que tentarão estrear o musical diretamente em Nova York, no verão de 2020.

A razão para a mudança de planos, segundo os produtores, não foi o documentário, mas dificuldades de agenda causadas por uma disputa trabalhista. Um impasse de cinco semanas com o Sindicato de Artistas, que foi resolvido na semana passada, adiou o desenvolvimento da peça. Diante disso, os produtores decidiram que precisariam de mais tempo para colocar o musical em pé.

O musical, Don’t Stop ‘Til You Get Enough, tem um time cheio de credenciais respeitadas. O texto é de Lynn Nottage, dramaturga vencedora de dois prêmios Pulitzer e conhecida por pesquisar a fundo os assuntos que aborda em suas peças. O diretor e o coreógrafo Christopher Wheeldon, que recebeu um Tony Award (o Oscar do teatro americano) por uma versão de An American in Paris.

O musical foi anunciado há oito meses. O texto já passou por um período de desenvolvimento e testes. Na última quinta-feira, os produtores disseram que outro workshop de desenvolvimento será feito em Nova York, no fim deste ano.

O cancelamento da estreia em Chicago, no entanto, ocorreu três semanas depois da exibição do documentário Leaving Neverland no Festival de Sundance. 

O filme, escrito e dirigido por Dan Reed, detalha as alegações de dois homens, Wade Robson e James Safechuck, que dizem ter sofrido abusos de Jackson quando eram menores de idade. Ambos deram apoio a Jackson durante o julgamento sobre abusos, em 2005, negando terem sofrido violência. Após a morte do astro, Safechuck e Robson processaram o espólio do cantor. A família ameaça processar os responsáveis pelo documentário.

O musical enfocaria no período anterior à turnê Dangerous, que começou em 1992. No ano seguinte, Jackson simplesmente parou de fazer shows, citando um vício em medicamentos que começou após uma série de denúncias de abuso que o cantor sempre negou. Não está claro como o envolvimento da família do cantor, morto em 2009, afetará o musical ou se a peça vai abordar momentos controversos da carreira de Michael Jackson.

O musical não tem relação com outras produções para o palco que usam o catálogo de canções de Jackson, como One, do Cirque du Soleil, atualmente montado em Las Vegas, e Thriller Live, em cartaz em Londres e em uma turnê europeia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.