finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Família de Sorocaba adapta aquecedor a lenha

A família do motorista autônomo Manuel Del Rio Rodrigues, de 67 anos, morador de Sorocaba, interior de São Paulo, tem água quente no chuveiro, no lavatório, na cozinha e até no tanque de roupas sem gastar energia. Uma serpentina instalada no fogão de lenha, que permanece aceso uma parte do dia, garante a água a uma temperatura tão alta, que ele precisa misturar com a água fria. O sistema é composto de quatro barras de cano de ferro, de 3/4 de polegada, um reservatório de 250 litros para água quente e um misturador. Não é preciso bomba: a água sai da caixa domiciliar, de 500 litros, passa pela serpentina instalada no braseiro do fogão e sobe, com a pressão do vapor, para o reservatório. Outro cano leva a fria direto da caixa para o misturador. O equipamento dosa a mistura de acordo com a temperatura desejada.Helena, mulher de Rodrigues, usa a água aquecida para lavar a louça e abastecer o tanque de lavar roupas. No banheiro, há um chuveiro elétrico só para emergências. O fogão a gás também é muito pouco usado. A família prepara todas as refeições a lenha. "Nem preciso dizer o quanto é bom", esnoba Rodrigues. Ele acredita que o custo gira em torno de R$ 1 mil, incluindo a compra do reservatório para água quente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.