JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Famílias passaram a ser mais seletivas com alta dos preços e queda da renda, diz IBGE

Pesquisador do instituto explica que famílias vem dispensando itens supérfluos desde junho do ano passado; desemprego e renda menor acentuam retração no setor de serviços

Idiana Tomazelli, O Estado de S. Paulo

15 de outubro de 2015 | 10h35

RIO - O volume de serviços prestados às famílias teve, em agosto, a 15ª queda consecutiva no confronto com igual mês do ano anterior, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) apresentados nesta quinta-feira, 15, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O setor reage à desaceleração na renda das famílias e ao aumento do desemprego.

Em junho de 2014, os serviços prestados às famílias deram início à sequência de taxas negativas, em um momento em que a renda das famílias ainda crescia, mesmo que a taxas menores. "As famílias já retraíam seu consumo em relação a esses bens, como alimentação fora de casa. Viajaram menos, consumiram menos. As famílias passaram a ser mais seletivas, mesmo com a renda subindo", explicou Roberto Saldanha, pesquisador da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE.

A explicação é o comportamento da inflação, que acelerou fortemente a partir de março de 2014. Desde junho do ano passado, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 12 meses só ficou abaixo do teto da meta (6,5%) por um mês, em dezembro de 2014. Em setembro, fechou em 9,49%. Com isso, os consumidores começaram a selecionar mais os gastos e dispensaram alguns supérfluos, explicou o pesquisador.

Agora, a retração no poder de compra dos brasileiros e a alta no desemprego são ingredientes a mais, que contribuem para intensificar a queda nos serviços prestados às famílias. Em agosto, houve queda de 8,2% no volume ante igual mês do ano passado, o segundo pior resultado da série, iniciada em janeiro de 2012.

"Há uma queda muito forte, puxada pelo setor de alojamento e alimentação", disse Saldanha. "Tivemos uma retração no poder de compra das famílias, o rendimento médio real encolheu 3,5% em agosto ante agosto do ano passado. A massa de rendimento real caiu 5,4% no período. Esses fatores , além do aumento do desemprego e da própria inflação, estão levando a uma retração nesses serviços", afirmou o pesquisador.

Mais conteúdo sobre:
consumoserviços

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.